O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, vai ao Rio de Janeiro para depor à CPI mista da Petrobras  (Foto: Adriana Justi/ G1PR)

Avião da Polícia Federal chegou ao Aeroporto Afonso Pena por volta das 9h30 

O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, preso em Curitiba, decolou no avião da Polícia Federal, do Aeroporto Internacional Afonso Pena, na Região Metropolitana, às 10h05 desta quarta-feira (17). Ele vai a Brasília onde deve prestar depoimento para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga denúncias de corrupção na Petrobras. A operação de deslocamento de Costa começou às 8h, quando ele saiu da sede paranaense da Polícia Federal. A instituição, por motivos de segurança, não divulga detalhes da operação. Sabe-se que Costa viaja escoltado por policiais federais, que vão acompanhá-lo até o Senado. Ao final do processo, ele deve voltar para a cela em Curitiba.

Esta será a segunda vez que o ex-diretor vai depor aos parlamentares. Em junho, ele esteve no Senado, para depor em outra investigação parlamentar, essa conduzida apenas pelo Senado. Na ocasião, ele rechaçou as acusações de que uma “organização criminosa” teria se infiltrado na estatal do petróleo e que a empresa teria se tornado uma “casa de negócios”.

Desta vez, a expectativa é de que Costa tenha outra postura, já que fez um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal. O ex-diretor com as investigações da Operação Lava Jato, que apura desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro. De acordo com a Polícia Federal, o esquema liderado pelo doleiro Alberto Youssef pode ter movimentado R$ 10 bilhões ilegalmente.

O depoimento de Paulo Roberto Costa está marcado para as 14h30. Os parlamentares que conduzem a CPMI da Petrobras acreditam que o depoimento será feito apenas aos deputados e senadores, que se comprometeram a não vazar as informações para a imprensa.

O presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), deverá iniciar a sessão de forma aberta. A expectativa, porém, é que Costa lance mão do seu direito constitucional de ficar em silêncio para não produzir provas contra si. Neste caso, os parlamentares deverão solicitar que a sessão seja secreta, a fim de estimular o delator a dar informações.

Leia na íntegra/Assista vídeo

Em Atlanta, Barack Obama apresentou plano americano de combate ao ebola

Em Atlanta, Barack Obama apresentou plano americano de combate ao ebola (Mandel Ngan/AFP)

O presidente americano Barack Obama classificou nesta terça-feira a epidemia de ebola na África Ocidental como uma ameaça à segurança mundial e anunciou uma maior participação dos Estados Unidos no combate ao surto. “Sabemos que se tomarmos as medidas certas, nós podemos salvar vidas. Mas precisamos agir rápido”, disse Obama em um pronunciamento na sede do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA, em Atlanta. O presidente, porém, ressaltou que a possibilidade de um surto de ebola no país é “extremamente baixa”.

O plano americano para frear a disseminação do vírus no continente africano consiste no envio de 3.000 militares para a região, incluindo engenheiros e médicos, no treinamento de funcionários africanos, na construção de 17 novos postos de tratamento com 100 leitos cada e no estabelecimento de um centro de controle militar para coordenar os esforços de ajuda. Segundo autoridades americanas, o foco do plano será na Libéria, um dos países mais afetados pelo surto.

A atual epidemia de ebola, a pior desde a descoberta do vírus em 1976, já contaminou 4.700 pessoas e matou cerca de 2.500 na Libéria, Serra Leoa, Guiné, Nigéria e Senegal. A Organização Mundial de Saúde (OMS) acredita que, até o final do ano, o número de infectados possa chegar a 20.000. “O mundo ainda tem a oportunidade de salvar inúmeras vidas. Agora, o mundo tem a responsabilidade de agir, de acelerar e fazer mais”, enfatizou Obama.

O plano dos EUA ganhou elogios da OMS e de trabalhadores humanitários na África Ocidental. “Este crescente apoio dos EUA é precisamente o tipo de mudança que precisamos para obter um controle sobre o surto e começar a virar o jogo”, disse Margaret Chan, diretora-geral da OMS. Especialistas em saúde, porém, ressaltaram que o plano ainda não é suficiente para conter a epidemia, que está crescendo rapidamente e causou o colapso dos sistemas locais de saúde.

Impacto econômico – Obama disse que se o surto não for interrompido agora, centenas de milhares de pessoas podem se infectar, “com profundas implicações políticas e econômicas e de segurança para todos nós”. “Esta é uma epidemia que não é apenas uma ameaça para a segurança regional. É uma ameaça potencial para a segurança mundial. Se esses países quebrarem, se suas economias se quebrarem, se as pessoas entrarem em pânico, isso terá profundos efeitos sobre todos nós, mesmo se não estivermos enfrentando diretamente a doença”, afirmou o governante. (Veja/Com agência Reuters)


 

Marina participa de debate promovido pela Conferência Nacional de Bispos do Brasil

Marina participa de debate promovido pela Conferência Nacional de Bispos do Brasil

Penitência – Jornalistas que tentavam cobrir o debate entre os presidenciáveis acabaram ‘enclausurados’ em um cercadinho do lado de fora do estúdio da TV Aparecida. A situação impedia o acesso da imprensa aos candidatos – jornalistas tinham de gritar em coro para convencê-los a se aproximar da barreira. Marina Silva (PSB) e Dilma Rousseff (PT) foram as únicas que não atenderam aos gritos e passaram batido.

Os verdes – Na vez de Marina Silva, os jornalistas tentaram convencê-la a se aproximar: “Vem para a grama, Marina, vem para o verde”, gritaram alguns. A área destinada à imprensa ficava sobre um gramado.

Voz fraca - Rouca, Marina não quis falar com a imprensa quando chegou. Já a caminho da sala destinada a receber os candidatos, fez um gesto com as mãos de que falaria depois. E cumpriu o prometido.

A força do anel - Marina tem por hábito mexer na aliança quando tem de discursar e, principalmente, falar sobre temas espinhosos. Logo no início do debate, a candidata do PSB manipulava nervosamente o anel que simboliza sua união com Fábio Vaz, técnico agrícola, com quem é casada desde 1986.

Confira na íntegra

6º BPM realiza condução à delegacia por crime ambiental

Policiais da 5ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar conduziram quatro pessoas à delegacia de Polícia Civil de Senhor do Bonfim por crime ambiental, nesta terça feira (16), às 23h50, em um campo de futebol da Cidade de Filadélfia.

Leandro Batista da Silva, 27 anos, José Evangelista Oliveira de Souza, 23 anos, José Augusto Bispo de Oliveira, 30 anos e Ademário Marques de Oliveira, 30 anos, estavam com 50 pássaros mortos e um ferido, além de duas espingardas, dois badogues, duas latas contendo chumbo, uma lanterna e uma garrafa de bebida alcoólica. Os acusados admitiram que estavam caçando.

Das 23 punições impostas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aos presidenciáveis até a última segunda-feira (15), 17 foram aplicadas contra a candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT). A petista lidera, de longe, o ranking das decisões desfavoráveis da Justiça eleitoral. Aécio Neves (PSDB), com cinco, e Marina Silva (PSB), com uma, completam a lista dos candidatos à Presidência advertidos pelo TSE.

Os dados são de levantamento publicado nesta quarta-feira (17) pelo jornal O Globo.  As punições, todas em caráter liminar, se referem a abusos cometidos na propaganda eleitoral no rádio, na TV ou na internet e não geraram multa aos candidatos.  Apenas a suspensão ou correção de comerciais, panfletos e programas do horário eleitoral, destaca o jornal.

A pesquisa não leva em conta a decisão tomada ontem pelo TSE de determinar a retirada do ar do site “www.mudamais.com”, comandado pelo ex-ministro das Comunicações Franklin Martins. De acordo com a coligação de Marina Silva, o site vem sendo usado na campanha eleitoral de Dilma embora não esteja registrado na Justiça eleitoral como domínio de sua candidatura.

Dilma e Aécio são os que mais recorrem à Justiça eleitoral. A pedido dos tucanos, por exemplo, o TSE determinou a retirada do ar das imagens de uma visita que Dilma fez a um posto de saúde em Guarulhos (SP) para falar sobre o programa Mais Médicos. E também de uma peça de campanha em que a coligação da petista se referia aos tucanos como “desesperados”. Já Aécio foi punido por utilizar a hashtag #vempraurna, slogan usado este ano pela Justiça Eleitoral.

Marina, por sua vez, foi advertida por veicular um site pessoal como se fosse da campanha no horário eleitoral e por ter mencionado a Rede Sustentabilidade como se fosse um partido, informaO Globo (leia a íntegra da reportagem do jornal carioca). (Congresso em Foco)

A Justiça Federal do RJ determinou nesta terça-feira (16) o bloqueio de todos os ativos financeiros de Eike Batista no país, no valor máximo de R$ 1,5 bilhão. A determinação cumpre parcialmente o pedido feito na denúncia do Ministério Público, que solicitava também o bloqueio de bens móveis e imóveis do empresário. Eike é acusado de utilizar informações privilegiadas para obter lucros no mercado finaceiro de foma irregular.

Os ativos financeiros incluem todo tipo de aplicação financeira, como ações, fundos de investimento, títulos de renda fixa, contas bancárias e caderneta de poupança. Já os bens móveis e imóveis, que não foram bloqueados pela Justiça na decisão desta terça, incluem bens como carros, imóveis, terrenos etc.

Segundo a decisão do juiz Flavio Roberto de Souza, a medida é uma precaução contra “caso o denunciado venha a se desfazer de quantias depositadas em suas contas correntes”. Um dos advogados de Eike, Raphael Mattos, disse ao G1 que pediu na última segunda-feira (15) ao juiz que não decidisse pelo bloqueio dos bens móveis e imóveis antes de ouvir a defesa do empresário. “O juiz, a título de cautela, determinou o bloqueio dos ativos financeiros e nos deu um prazo de 15 dias para contestar os argumentos do MP”, diz Mattos.

A Justiça Federal do RJ acolheu nesta terça denúncia do Ministério Público Federal contra Eike Batista por manipulação de mercado e uso de informações privilegiadas. Segundo o MPF-RJ, o executivo teria se utilizado, por duas vezes, de informações relevantes – das quais teve acesso antes de serem divulgadas ao mercado – propiciando para si “vantagem indevida mediante a negociação, em nome próprio, com valores mobiliários”.

Confira na íntegra

Vacina hepatite A Uberaba imunização (Foto: Reprodução/ TV Integração)

Criança é vacinada contra hepatite A em Uberaba (Foto: Reprodução/ TV Integração)

O SUS já está oferecendo a vacina contra o vírus da hepatite A em todo o país. Os três últimos estados que faltavam – São Paulo, Paraná e Roraima – passaram a ter a vacina disponível este mês, de acordo com o Ministério da Saúde.

Em 29 de julho, a pasta tinha anunciado a inclusão da imunização no calendário vacinal. Desde então, os estados passaram a incluir a vacina progressivamente.

A imunização é direcionada a crianças de 1 ano até 1 ano e 11 meses. A meta do ministério é imunizar 95% desse público em um ano, o que totaliza três milhões de crianças.

Com a vacinação contra a hepatite A, o Ministério da Saúde passa a oferecer, de graça, 14 vacinas de rotina no calendário. Ainda segundo o ministério, com a nova vacina, o Brasil passa a ofertar todas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

Hepatite A
A hepatite A é uma doença infecciosa aguda que atinge o fígado. De acordo com a OMS, a cada ano, ocorrem cerca de 1,4 milhão de casos no mundo. Nos países com precárias condições sanitárias e socioeconômicas, a hepatite A apresenta alta incidência.

De acordo com o Ministério da Saúde, a doença é considerada comum no Brasil, área de risco para a hepatite A. Foram 3,2 casos para cada 100 mil habitantes em 2013. De 1999 a 2012, foram 761 mortes.

De 1999 a 2013 foram registrados 151.436 casos de Hepatite A no Brasil. A maioria dos casos se concentra nas regiões Norte e Nordeste do país, que juntas representam 55,8% das confirmações do vírus. De 2% a 7% dos casos apresentam a forma grave da doença, que pode levar à hospitalização e à morte.

A principal forma de contágio da doença é a fecal-oral, por contato entre as pessoas infectadas ou por meio de água e alimentos contaminados. (G1)

saiba mais

-Governo inclui vacina contra hepatite A no calendário de vacinação do SUS

 

A Polícia Legislativa do Senado preparou um esquema especial de segurança para receber nesta quarta-feira (17) o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que prestará depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) às 14h30. Ele está preso desde junho em Curitiba e foi convocado pelos parlamentares a dar esclarecimentos sobre denúncias de corrupção na empresa.

Costa será transportado e escoltado de Curitiba até o prédio do Congresso Nacional, em Brasília, pela Polícia Federal, conforme determinado pela Justiça Federal do Paraná. Nas dependências do Senado, a escolta passará a ser de responsabilidade da Polícia Legislativa, que restringirá o acesso do público à sala e à ala do prédio onde funciona a CPMI.

A assessoria de imprensa do Senado informou que, dentro do prédio do Legislativo, Costa não usará algemas, em atendimento a uma recomendação do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na justiça do Paraná.

O presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que se reuniu nesta terça-feira (16) com o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, para detalhar o esquema de segurança.

“A PF tem a recomendação da Justiça  para fazer a escolta e dar garantias nesse traslado ao acusado. Ele é réu preso e está sob custódia. Dentro do Congresso, a Polícia Legislativa vai garantir a funcionalidade da sessão”, explicou o presidente.

O plenário em que ocorrerá o depoimento tem capacidade para apenas 60 pessoas, por isso o Senado transmitirá a audiência em telões em outras três salas vizinhas, que poderão ser acessadas apenas por parlamentares, servidores, assessores e imprensa credenciada.

Leia na íntegra/Assista vídeo

 

O conselho de administração da Oi acaba de bater o martelo para a operação de venda de sua participação de 75% na Africatel, telefônica que detém operação de telefonia fixa e de celular em vários países africanos – entre eles, Marrocos, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Moçambique, Timor-Leste, Angola, Quênia, e São Tomé e Príncipe e Botsuana.

Vai usar o dinheiro para pagar dívidas e ajudar na tentativa de comprar uma fatia da TIM.

A venda da Africatel, contudo não será sem brigas judiciais. A Samba, sua sócia na empresa, promete briga por causa do exercício de uma put a qual julga ter direito pelo acordo de acionistas. (Veja)

Por Lauro Jardim

 

 

 

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza (Sindilimp) da região sul da Bahia, Moisés Ribeiro da Silva, de 35 anos, foi assassinado na tarde desta terça-feira (16) em Nova Itabuna, em Itabuna, no sul baiano.

Segundo a delegacia, o corpo de Moisés foi encontrado de bruços em um rio. A moto dele foi localizada próximo à margem, a alguns metros do local do crime. Ele tinha a orelha parcialmente cortada e foi atingido por disparos de arma de fogo.

Nada foi roubado de Moisés.

Em nota, a direção do Sinergia Bahia lamentou a morte. “Toda a nossa solidariedade aos amigos e familiares de Moisés Ribeiro”, diz o texto. Já a direção do Sindilimp não foi encontrada para comentar a morte. (Correio da Bahia)

O PODER E O CRIME - Enivaldo Quadrado (à direita), o chantagista, é pago pelo PT para manter em segredo o golpe que resultou no desvio de 6 milhões de reais da Petrobras, em outro caso de chantagem que envolve o ministro Gilberto Carvalho, o mensaleiro José Dirceu e o ex-presidente Lula

O PODER E O CRIME - Enivaldo Quadrado (à direita), o chantagista, é pago pelo PT para manter em segredo o golpe que resultou no desvio de 6 milhões de reais da Petrobras, em outro caso de chantagem que envolve o ministro Gilberto Carvalho, o mensaleiro José Dirceu e o ex-presidente Lula (Montagem com fotos de Ailton de Freitas-Ag. O Globo/Joel Rodrigues-Folhapress/Rodolfo Buhrer-Estadão Conteúdo/Jeferson Coppola/VEJA)

A Polícia Federal já sabe quem é o homem que, em nome do PT, fazia as entregas de dinheiro a um grupo de chantagistas que ameaçava envolver o partido no escândalo de corrupção da Petrobras. Em sua última edição, VEJA mostrou que Enivaldo Quadrado, condenado no processo do mensalão, prometeu revelar detalhes sobre o envolvimento de petistas com o desvio de 6 milhões de reais do cofre da estatal. Para comprar seu silêncio, o partido cedeu à chantagem.

Cumprindo pena alternativa, Enivaldo Quadrado, o chantagista, recebe pagamentos regulares em dólares americanos. O dinheiro é entregue por um homem identificado apenas como sendo um conhecido militante do PT, influente, com estreitas  ligações com os chefes mensaleiros – e que faz o serviço  cumprindo ordens do tesoureiro do partido, João Vaccari Neto.

O valioso trunfo de Enivaldo Quadrado são as informações que ele possui sobre a triangulação de uma outra chantagem. Em 2012, o publicitário Marcos Valério, outro condenado no mensalão, revelou ao Ministério Público que o empresário Ronan Maria Pinto estava ameaçando envolver o então presidente Lula e seus auxiliares, o então chefe da Casa Civil, José Dirceu, e o chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, no assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel. Para evitar que isso acontecesse, o PT deu a ele 6 milhões de reais, dinheiro que saiu dos cofres da Petrobras, segundo Marcos Valério.

Enivaldo Quadrado conhece todos os detalhes da operação e guardou consigo a cópia de um contrato que formalizou o repasse milionário a Ronan Maria Pinto, o primeiro chantagista. Por isso, seu silêncio agora vale tanto. (Veja)

PT ‘CONSTRANGE EMPRESÁRIOS’


Publicado no Estadão desta terça-feira

A destruição dos fundamentos da economia e a consequente perda de confiança dos setores produtivos são obras que têm a indelével assinatura do PT. Além de terem de encarar uma crise causada em grande medida pela imperícia das autoridades econômicas e da própria presidente Dilma Rousseff, os empresários do País ainda estão sendo sistematicamente demonizados na campanha da presidente à reeleição – no horário eleitoral gratuito, eles são apresentados como vilões que aniquilam o bem-estar dos pobres em nome do lucro. Mesmo assim, com o caradurismo habitual, os petistas enviaram a esses mesmos empresários uma carta em que pedem dinheiro para financiar a campanha de Dilma.(Veja/Blog do Augusto Nunes)

» Clique para continuar lendo

 A presidente Dilma Rousseff, candidata do PT à reeleição, concede entrevista no Palácio da Alvorada, em Brasília (

A presidente Dilma Rousseff, candidata do PT à reeleição, concede entrevista no Palácio da Alvorada, em Brasília ((Pedro Ladeira/Folhapress)

A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira que o governo não está preocupado com o depoimento de Paulo Roberto Costa, delator do petrolão, à CPI mista da Petrobras. Costa, que foi diretor de Abastecimento da companhia entre 2004 e 2012, entregou à Polícia Federal nomes de políticos que se beneficiaram de desvios na Petrobras, conforme revelou VEJA.

“Não temos a menor preocupação”, disse a presidente em uma rápida entrevista no Palácio da Alvorada, antes de embarcar rumo ao debate entre os presidenciáveis organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na cidade de Aparecida (SP).

A afirmação de Dilma, entretanto, contrasta com toda a operação armada pelo governo e pelo PT para transformar a CPI do Senado num teatro e blindar a estatal e seus diretores, como VEJA revelou.

A presidente também demonstrou descontentamento com o pedido, feito pelo Ministério Público Eleitoral, de suspensão da propaganda em que a campanha petista ataca Marina Silva (PSB) pela defesa da autonomia do Banco Central. ”Crime de opinião no Brasil é algo ultrapassado. Eu fui da cadeia por crime de opinião. E sei perfeitamente que a democracia é algo que deve ser acolhido”, disse a petista.

Dilma também comemorou o relatório da Fundação das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que apontou uma redução de 75% dos miseráveis no Brasil entre 2001 e 2013. No ano passado, o número de pessoas abaixo da linha da miséria era de 3,4 milhões de pessoas.

A promessa do governo Dilma, entretanto, era erradicar a fome. A presidente diz que o número de miseráveis atual se deve às famílias que não procuraram os programas do governo e que, dessa forma, precisam ser procuradas por meio de “busca ativa”. “O que nós achamos é que tem gente tão pobre que não sabe que tem direito a certos programas sociais. Então nós criamos aquilo que se chamou de busca ativa.”

Dilma também adotou uma postura cautelosa a respeito do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Ela afirmou que a união estável já foi assegurada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e que ela tem efeito de casamento civil. Ao mesmo tempo, afirmou que respeita a autonomia de cada religião celebrar o casamento que considera adequado. ”O meu governo tem a concepção de família que existe na realidade. Nós não definimos nenhuma forma de família nem temos a pretensão governamental de interferir em algo que é sociedade”, disse ela. (Veja)

Leia também: 

-Relembre a farsa na CPI, quadro a quadro

SÓ O SILÊNCIO INTERESSA

Costa: o homem-bomba explodiu

Costa: nesta quarta-feira na CPI

Paulo Roberto Costa tem tudo para ficar em silêncio no depoimento, desta quarta (17), à CPI mista da Petrobras. Qualquer coisa diferente disso será uma bomba para o Palácio do Planalto e a base aliada.

A avaliação é que, mesmo se recusando a repetir informações contidas na delação premiada, caso PRC fale o que quer que seja numa sessão aberta, a imprensa fará um carnaval com as declarações do bombástico ex-diretor.

A possibilidade de uma sessão fechada – sem jornalistas – também assusta. Esse cenário permitirá à oposição vazar o que e como quiser as frases de Costa ouvidas a portas trancadas.

Ou seja, apenas o silêncio de PRC – que deverá se confirmar amanhã – pode não prejudicar ainda mais as candidaturas da base aliada e, lógico, de Dilma Rousseff. (Veja)

Por Lauro Jardim

Médico continua internado (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil investiga a hipótese de que o ex-médico Daniel Edmans Forti, de 52 anos, tenha atirado contra o urologista Anuar Ibrahim Mitre, de 65, médico do Hospital Sírio-Libanês, por vingança. O paciente estaria descontente com os resultados de uma cirurgia na uretra feita pelo especialista.

Após disparar contra Mitre dentro do consultório do especialista que fica na frente do hospital, na segunda-feira, 15, à tarde, Forti se matou. Ele era paciente havia cinco anos. O relato foi feito informalmente a policiais por um amigo de Forti que ligou do Rio de Janeiro.

Segundo investigadores do 4.º DP (Consolação) ouvidos pela reportagem, o amigo afirmou que Forti dizia que não estava satisfeito com a operação. Já o irmão do ex-médico, que prestou depoimento na tarde desta terça-feira, 16, afirmou que Forti reclamava de muitas dores após a cirurgia e estava deprimido após sofrer o acidente de moto no Rio que causou o problema na uretra. Apesar das dores, ele nunca havia reclamado de Mitre para o familiar.

O irmão contou ainda que Forti era reservado e ficou ainda mais introspectivo após o acidente, que o deixou com problemas de locomoção – o paciente ficou sete meses sem poder andar e ainda usava muletas eventualmente. Solteiro e sem filhos, Forti morava no Rio, mas mudou-se para São Paulo após o acidente, há cerca de dois anos, e passou a morar com a mãe na capital paulista. Ela será chamada a depor.

Leia na íntegra

Passagens entre Salvador e Feira de Santana custam a partir de R$ 1.500
(Foto: Manu Dias/GOV/BA)

Os voos da companhia estão previstos para acontecer às terças e quintas-feiras, durando apenas 20 minutos.

A antecipada viagem de avião entre Salvador e Feira de Santana poderá sair mais caro do que o esperado. Uma simulação realizada pelo Correio24horas às 14h desta terça-feira (16) no site da Azul Linhas Aéreas, que opera os voos entre as duas cidades, demonstrou que uma viagem entre os dias 7 e 14 de outubro poderá sair por até R$ 1.671,07 na tarifa flex.

Já na tarifa promocional, para a mesma data, o custo da viagem fica um pouco mais barato: a ida e volta entre Salvador e Feira de Santana custaria R$ 1.551,07 com as taxas de embarque incluídas. (Correio da Bahia)

BRASIL TEM ELEIÇÕES MAIS CARA DO MUNDO

Se o eleitor imaginar que, para ser deputado federal ou estadual em São Paulo, o candidato terá que fazer campanha em 645 municípios e, se for em Minas Gerais, terá que percorrer 853 municípios, poderá entender por que as eleições brasileiras são consideradas pelos especialistas como as mais caras do mundo.

O sistema eleitoral adotado pelo país desde 1945 (o proporcional de listas abertas para preencher as vagas na Câmara dos Deputados, nas assembleias estaduais e mesmo nas câmaras municipais) obriga o candidato a disputar votos em uma área física muito grande.

— Faz com que ele seja quase um partido isolado. Disputa a eleição contra tudo e contra todos, até contra seus próprios colegas de partido — explica o consultor legislativo Arlindo Fernandes, um dos especialistas do Senado em direito constitucional e eleitoral.

Ao lado disso, há razões extrajurídicas, como define Fernandes. Gastos elevados podem resultar em sucesso nas eleições, segundo o consultor, pela fragilidade de boa parte do eleitorado, suscetível à influência do poder econômico e das máquinas administrativas, combinada a instrução formal e política limitadas.

Leia na íntegra/Assista vídeo

MELHOR CANCELAR

Marina: reta final pela Rede

Marina: problemas no DF

A guerra começou a ganhar ares perigosos na disputa ao Palácio do Planalto. Marina Silva estava em Brasília, no domingo, indo de carro a um evento de campanha em Ceilândia, cidade-satélite do Distrito Federal.

No meio do caminho, Marina recebeu um telefonema: os agentes da Polícia Federal responsáveis pela sua segurança orientaram que ela cancelasse a agenda. Segundo os policiais, vários militantes do PT a aguardavam, indóceis.

Marina chegou a pensar em desistir, mas voltou atrás e compareceu ao comício, que transcorreu sem incidentes. (Veja)

Por Lauro Jardim

 

Político foi jogado em uma lata de lixo

Dezenas de manifestantes enfurecidos próximos ao Parlamento ucraniano cercaram um deputado proeminente de oposição nesta terça-feira e o jogaram dentro de uma lata de lixo, acusando-o de não apoiar leis que dariam um fim à turbulência no país.

O incidente ocorreu com Vitaly Zhuravsky, um ex-membro do partido do presidente deposto Viktor Yanukovich. Não ficou claro o que terifa feito Zhuravsky atrair a ira dos manifestantes, mas o episódio aconteceu antes de uma sessão em que os parlamentares ratificaram um acordo da Ucrânia com a União Europeia e apoiaram leis para dar um status especial a regiões controladas por separatistas.

“Vivemos em um país onde o sangue escorre por sua causa”, gritavam os manifestantes que cercaram o lixo no qual o deputado, de 59 anos, foi jogado.

Leia na íntegra/Assista vídeo

A campanha da candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, veiculará nesta terça-feira, 16, um programa no qual ela diz que quem já passou fome como ela jamais acabaria com o Bolsa Família. A declaração, feita por ela durante um comício realizado em Fortaleza (CE) na sexta-feira passada, foi gravada e será será usada na peça publicitária que vai ao ar no horário eleitoral da noite desta terça.

O programa foi divulgado pela campanha como resposta aos boatos vindos de adversários que acusariam Marina de cogitar o fim do Bolsa Família. Com a voz embargada, Marina endereça o discurso à presidente Dilma Rousseff e afirma que não combaterá as críticas da petista com “as mesmas armas”. “Dilma, fique ciente: não vou lhe combater com suas armas. Vou lhe combater com a nossa verdade”, diz Marina no programa. “Nós vamos manter o Bolsa Família. Sabe por quê? Eu sei o que é passar fome”.

Em seguida, a candidata do PSB relembra de sua infância, quando diz que teve que dividir com mais sete irmãos “um ovo, um pouco de farinha, sal, com palhinhas de cebola picada”. Ao falar sobre a mãe, que deixava toda a comida para os filhos, Marina interrompe por alguns instantes o discurso para não chorar. E retoma: “Lembro de ter perguntado para a minha mãe e para o meu pai: ‘vocês não vão comer?’. E minha mãe respondeu: ‘nós não estamos com fome’. E uma criança acreditou naquilo”. No discurso, Marina afirma que depois ela compreendeu que os pais já estavam há um dia sem comer. “Quem viveu essa experiência jamais acabará com o Bolsa Família. Não é um discurso. É uma vida”. (Correio da Bahia)

Profissional de saúde da Cruz Vermelha desinfeta local onde corpo de paciente infectado pelo ebola foi encontrado, em 10 de setembro, na Libéria

Profissional de saúde da Cruz Vermelha desinfeta local onde corpo de paciente infectado pelo ebola foi encontrado, em 10 de setembro, na Libéria – Zoom Dossot/AFP

O número de casos de ebola no oeste da África pode começar a duplicar a cada três semanas, exigindo aproximadamente 1 bilhão de dólares para controlar a crise, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em relatório divulgado nesta terça-feira, a OMS explicou que os recursos são necessários para ações que vão desde o pagamento de profissionais de saúde até o rastreamento de pessoas que tenham sido expostas ao vírus e a contratação de equipes de sepultamento.

Diversos países ao redor do mundo estão se mobilizando para ajudar no combate à epidemia. Os Estados Unidos, por exemplo, pretendem enviar 3.000 militares às regiões afetadas, enquanto a China deve exportar um laboratório móvel e 59 profissionais especializados para Serra Leoa.

No entanto, especialistas consideram que a reposta global ao ebola está muito aquém do necessário. “A janela de oportunidade para conter esta epidemia está fechando, precisamos que mais países enviem ajuda imediatamente”, disse a presidente da organização Médicos Sem Fronteiras, Joanne Liu.

A OMS calcula que 22,3 milhões de pessoas vivem nas regiões afetadas pela atual epidemia. Segundo a organização, praticamente metade do recurso exigido seria destinado à Libéria, país mais atingido.

A epidemia — Desde março deste ano, mais de 4.700 pessoas foram contaminadas pelo ebola na Libéria, Serra Leoa, Guiné, Nigéria e Senegal, e pelo menos 2 .400 morreram. A OMS acredita que, até o final do ano, o número de infectados alcance 20.000. (Veja/Com Estadão Conteúdo)

Leia também:
OMS pede envio de médicos para combater ebola

 

Pronto-socorro: CFM estipula que espera deve ser de até duas horas

Pronto-socorro: CFM estipula que espera deve ser de até duas horas (Thinkstock/VEJA)

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou nesta terça-feira, no Diário Oficial da União, duas resoluções com regras mais claras para atendimentos em prontos-socorros e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Os textos estipulam que o tempo de espera do paciente em um pronto-socorro não ultrapasse duas horas e que a permanência no serviço – aguardando alta médica, internação ou transferência, por exemplo — seja de até 24 horas.

Algumas das regras publicadas pelo CFM já estão previstas nas portarias que regulam o Sistema Único de Saúde (SUS), mas a resolução deve dar mais visibilidade a elas, além de fazer com que os conselhos regionais de medicina fiscalizem o seu cumprimento, segundo Mauro de Britto Ribeiro, relator dos textos.

De acordo com o CFM, a resolução vale tanto para a rede pública quanto a privada. As regras, que foram discutidas ao longo de quatro anos, ainda proíbem que os pacientes sejam internados em prontos-socorros e estipulam que médicos plantonistas comuniquem os seus superiores em caso de superlotação ou falta de condições adequadas para atendimento.

Os textos do CFM reforçam que pacientes em situação de risco de vida ou grande sofrimento devem receber atendimento mesmo se não houver vagas no hospital, o que já ocorre hoje em dia. Mas o conselho quer deixar claro que essa regra é de caráter excepcional, e que a admissão de pacientes sem condições mínimas de atendimento não deve se tornar algo corriqueiro.

A resolução também determina que a passagem de plantão nos prontos-socorros seja feita de um médico para o outro, e que somente esse profissional possa autorizar alta ou transferência de um paciente. Essas regras já existem, mas, segundo o CFM, nem sempre é cumprida. As normas do CFM já estão em vigor. (Veja/Com Estadão Conteúdo)

A juíza de Direito Maria Verônica Moreira Ramiro, da 11ª Vara da Fazenda Pública, deferiu liminar na sexta-feira (12) em uma Ação Civil Pública proposta pela OAB da Bahia, suspendendo as operações intituladas Blitz do IPVA, realizadas pelo Fisco estadual em todo o estado da Bahia.

Com a decisão, o Governo do Estado da Bahia deve cobrar o imposto utilizando meios previstos na legislação, abstendo-se de apreender os automóveis dos contribuintes baianos em razão do não pagamento do IPVA, sob pena de multa de R$ 50 mil por operação de blitz.

De acordo com a juíza, “apreender veículo na via pública por débito de IPVA, é o mesmo que expulsar, sem qualquer prévio procedimento, o contribuinte de seu lar em caso de inadimplemento do IPTU”.

O envolvimento da OAB da Bahia no caso começou em novembro de 2013, quando, por iniciativa do conselheiro Domingo Arjones, o Conselho Pleno da OAB da Bahia encaminhou a questão da Blitz do IPVA à Comissão de Direito Tributário da instituição.

A comissão é presidida pelo conselheiro seccional Oscar Mendonça, que elaborou um parecer apontando as ilegalidades nas operações.

O presidente da OAB da Bahia, Luiz Viana Queiroz, que é procurador do Estado, declarou-se impedido de analisar a questão e transferiu ao vice-presidente Fabrício Oliveira o comando das sessões do conselho que debateram e deliberaram sobre as blitz do IPVA.

O Conselho Pleno aprovou então o parecer da comissão e a proposição de uma ação judicial para questionar o ato de apreensão de veículos por parte do  Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA) e Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia (Sefaz-BA), como forma coercitiva de cobrar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores  (IPVA), através das blitzen com a participação da Polícia Militar.

A Procuradoria da OAB da Bahia, capitaneada pelo procurador-geral Gustavo Amorim, propôs então uma Ação Civil Pública (ACP), cujo pedido liminar de suspensão do ato de apreensão de automóveis que estejam em débito com o tributo IPVA  foi deferido nesta sexta-feira (12) pela juíza da 11ª Vara da Fazenda Pública, Maria Verônica Moreira Ramiro.

Na ação, a OAB da Bahia afirma que o procedimento de blitz e apreensão do veículo em situação de inadimplência configura exercício ilegal do poder de polícia da Administração Pública, em flagrante desrespeito princípios constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa, do contraditório, da propriedade, razoabilidade e da proporcionalidade, com prejuízos de ordem moral e material aos cidadãos baianos.

A OAB-BA afirma ainda que deve ser ofertado ao proprietário do veículo discutir a cobrança do imposto citado sem ser privado dos seus direitos de propriedade.

Participaram ativamente da construção da tese, da proposição da ação e do acompanhamento da ACP, a conselheira seccional Daniela Borges e o conselheiro seccional Oscar Mendonça, pela Comissão de Direito Tributário, e o procurador-geral Gustavo Amorim e a advogada Larissa Argollo, pela Procuradoria da OAB da Bahia. (Tribuna da Bahia)

A candidata à Presidência Marina Silva (PSB) se encontra com jovens empreendedores no Instituto Endeavor

A candidata à Presidência Marina Silva (PSB) se encontra com jovens empreendedores no Instituto Endeavor

O procurador-geral eleitoral, Rodrigo Janot, defendeu nesta segunda-feira, em parecer enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a suspensão das propagandas veiculadas pela campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) que criticam a proposta da adversária Marina Silva de conceder autonomia ao Banco Central (BC). Janot considerou que as peças pretendem criar “artificialmente na opinião pública estados mentais, emocionais ou passionais”, o que é vedado pelo Código Eleitoral. A manifestação de Janot pode ser acatada pelo TSE no julgamento do mérito das três ações da campanha de Marina que questionaram a propaganda. O caso deve ser analisado nos próximos dias.

Os advogados da candidata do PSB recorreram na semana passada ao tribunal contra a campanha sob a alegação de que a chapa de Dilma pratica “verdadeiro estelionato eleitoral” ao distorcer a proposta da adversária, uma vez que induz à percepção de que os bancos seriam os responsáveis pela condução da política de controle de juros e de inflação. Os advogados da candidata do PSB sustentam que a propaganda cria uma “cenário de horror” com a implantação da autonomia do BC ao chegar ao “absurdo terrorismo” de que a medida esvaziaria os poderes do presidente da República e do Congresso.

Leia na íntegra

O relator da CPI mista da Petrobras, deputado Marco Maia (PT-RS), disse nesta terça-feira (16) que o depoimento do ex-diretor da petroleira Paulo Roberto Costa deverá ser realizado em sessão fechada, restrito aos parlamentares e sem presença da imprensa ou do público.

O depoimento está marcado para as 14h30 desta quarta-feira (17), no Senado Federal. A presença de Costa foi confirmada pela Justiça Federal.

Com a sessão fechada, o relator acredita que o ex-diretor se sinta mais à vontade para dar esclarecimentos sobre denúncias de corrupção na Petrobras, já que ele passa por uma negociação de delação premiada com o Ministério Público e a Justiça Federal e todas as informações prestadas por ele a esses órgãos são sigilosas.

Na visão de Maia, se a reunião for restrita aos parlamentares – que devem se comprometer a não vazar as informações ouvidas do delator – o direito que Costa tem ao sigilo estaria resguardado. “Dificilmente ele poderá chegar aqui e falar abertamente”, afirmou.

“Eu acho que provavelmente essa sessão será uma sessão fechada. Nós deveremos dar essa oportunidade ao depoente para que ele possa falar mais. Queremos ouvi-lo, obter as informações dele durante a investigação”, disse o deputado.

Leia na íntegra/Assista vídeo

Uneb é uma das universidades no movimento 

A partir desta quarta-feira  (17), as quatro universidades estaduais suspenderão seu funcionamento. Uneb, Uefs, Uesb e Uesc paralisam suas atividades até sexta-feira (19) para reivindicar ajuste no repasse do orçamento do Estado para 7%. Professores, funcionários e alunos irão cruzar os braços pelo resto da semana.

A ação faz parte da Semana de Mobilização e Lutas, que ocorre pelo menos uma vez no semestre. Os manifestantes também planejam um ato público para amanhã, na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba). Para o momento estão programados carro de som e falas de protesto de estudantes e funcionários. De acordo com Milton Pinheiro, coordenador da Associação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb), ônibus de Jequié, Vitória da Conquista, Itapetinga, Teixeira de Freitas, Alagoinhas, Jacobina, Ilhéus e Feira de Santana devem vir para o ato.

“Essa paralisação é para debater o recuo no orçamento das universidades. O governo do estado no orçamento 2014 e no previsto para 2015 diminuiu quase R$ 19 milhões na rubrica de custeio de investimentos e manutenção”, explica Pinheiro.

De acordo com o coordenador, a redução faz com que as universidades não consigam cumprir com suas atividades de ensino, pesquisa e extensão. Atualmente, 5% da Receita Líquida de Impostos (RLI) do orçamento são repassados para as instituições.

Leia na íntegra

Ibope - 16.9 (Foto: Arte/G1)

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (16) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Presidência da República:
Dilma Rousseff (PT): 36%
Marina Silva (PSB): 30%
Aécio Neves (PSDB): 19%
Pastor Everaldo (PSC): 1%
Zé Maria (PSTU): 0%*
Luciana Genro (PSOL): 0%*
- Eduardo Jorge (PV): 0%*
Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
Eymael (PSDC): 0%*
Levy Fidelix (PRTB): 0%*
Mauro Iasi (PCB): 0%*
- Branco/nulo: 7%
- Não sabe/não respondeu: 6%

* Cada um dos sete indicados com 0% não atingiu 1% das intenções de voto; somados, eles têm 1%

No levantamento anterior do instituto, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgado no dia 12, Dilma tinha 39%, Marina, 31%, e Aécio, 15%.

Segundo turno
Ibope também simulou três cenários de segundo turno. São eles:

- Marina Silva: 43%
- Dilma Rousseff: 40%
- Branco/nulo: 11%
- Não sabe/não respondeu: 6%

- Dilma Rousseff: 44%
- Aécio Neves: 37%
- Branco/nulo: 12%
- Não sabe/não respondeu: 6%

- Marina Silva: 48%
- Aécio Neves: 30%
- Branco/nulo: 15%
- Não sabe/não respondeu: 8%

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 204 municípios do país entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-00657/2014.

Confira na íntegra

http://i1.wp.com/jornaldachapada.com.br/wp-content/uploads/2014/09/avi%C3%A3o-caiu-em-boa-vista-do-tupim-Divulga%C3%A7%C3%A3o-13.jpg?resize=710%2C401

(Foto: Jornal da Chapada)

Uma aeronave de pequeno porte fez um pouso forçado na tarde desta segunda-feira (15) na zona rural de Boa Vista do Tupim, que fica a 320 quilômetros de Salvador. Segundo informações da Polícia Civil, além do piloto, havia um médico na aeronave. Ninguém ficou ferido.

Ainda de acordo com a polícia, o incidente aconteceu por volta das 13h, em uma região que fica a 10 quilômetros do centro da cidade. O motivo do pouso forçado não foi divulgado, mas a aeronave foi encontrada capotada pelos moradores da região.

Os dois homens, que não tiveram os nomes divulgados, não ficaram feridos, mas chegaram a ir até o hospital da cidade por medida de segurança. Em seguida, eles ligaram para a delegacia para informar o ocorrido e as medidas que seriam tomadas para remover a aeronave do local. O destino do voo também não foi informado. (Correio da Bahia)

Policiais do 6º BPM apreendem drogas

Policiais da ROCAM do 6º Batalhão de Polícia Militara apreenderam drogas, nesta segunda feira (15), às 10h30, no Bairro Alto do Cigano, em Senhor do Bonfim.

Em ronda, os policiais avistaram, saindo de uma casa, Jaqueline da Silva Mendes, 31 anos, com a qual, após abordagem, encontraram uma pedra de crack. Em um matagal, nas proximidades da residência, os policiais encontraram dois adolescentes, de 16 e 17 anos, sentados e, próximo a eles, havia dois pés de maconha. Dentro da casa, em que estava Larize Gonçalves da Silva Ferreira, 23 anos, havia cinco trouxas de maconha, a quantia de R$9,65, um aparelho de TV, outro de DVD, um video game, um relógio, dois celulares, entre outros objetos.

Todos os envolvidos foram apresentados na delegacia de Polícia Civil, juntamente com o material apreendido, onde foi lavrado flagrante. (Veja)

Paracetamol 500 mg, fabricado pelo laboratório Teuto

Paracetamol 500 mg, fabricado pelo laboratório Teuto (Reprodução/VEJA)

O laboratório Teuto Brasileiro anunciou nesta segunda-feira o recall de cinco medicamentos, incluindo um lote do Paracetamol. A empresa assumiu a possibilidade de um objeto metálico semelhante a um parafuso ter sido encontrado no lugar do comprimido em uma das embalagens do analgésico, problema que foi denunciado por um cliente ao Procon.

Os outros medicamentos que tiveram lotes suspensos são o antifúngico Cetoconzol o antidepressivo Amitriptilina, o creme vaginal Nistatina e a Atorvastatina Cálcica, indicada para reduzir a taxa de colesterol.

Com exceção da Amitriptilina, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia anunciado a suspensão de lotes desses medicamentos diante da denúncia de clientes sobre troca de comprimidos e erros nas embalagens. Na época, o laboratório informou que faria o recolhimento dos produtos voluntariamente.

O recall do Paracetamol inclui o lote 1998101 do analgésico de 500 miligramas (mg), que abrange 15 141 medicamentos fabricados entre 11 e 12 de dezembro de 2013.

Já o do Cetoconzol 200 mg vale para o lote 1048105, com 105 314 unidades fabricadas em 25 de junho de 2013. Segundo a empresa, alguns produtos podem ter sido embalados com comprimidos de Atenolol, indicado para controlar a pressão arterial.

No caso da Amitriptilina 25 mg, o recall inclui os 10 271 produtos do lote 8910019, fabricados em 14 e 15 de fevereiro de 2014. Algumas embalagens podem conter comprimidos de Metformina, medicamento usado para tratar diabetes.

O recall também vale para o lote 8910019 da Nistatina 25.000UI/G, que contém 13 993 unidades fabricadas em 14 e 15 de fevereiro. Segundo o laboratório, em algumas embalagens, houve troca do medicamento por outra droga, a neomicina+bacitracina.

Também foram comprometidos os produtos do lote 6909006 da Atorvastatina Cálcica 20 mg, que contém 4 822 produtos fabricados entre 17 e 21 de janeiro deste ano. Algumas unidades, que indicam concentração de 20 mg, podem trazer comprimidos de 10 mg.

Nesta segunda-feira, a Anvisa suspendeu a distribuição e comercialização de lotes de outros dois medicamentos do laboratório Teuto: o antibiótico Norfloxacino e o antidepressivo Cloridrato de Paroxetina.

Segundo a agência, embalagens do lote 2946049 do Norfloxacino 400 miligramas (mg), com validade até novembro de 2015, continham comprimidos de um outro remédio, o Cloridrato de Paroxetina, que é um antidepressivo. Já produtos do lote 2444510 do Cloridrato de Amitriptilina 25 mg, válido até janeiro de 2016, apresentavam bolsões de ar entre os comprimidos, o que “compromete o isolamento do conteúdo da embalagem”. (Veja)

Ônibus queimado no centro de São Paulo durante confronto entre invasores e policiais após reintegração de posse - 16/09/2014

Ônibus queimado no centro de São Paulo durante confronto entre invasores e policiais após reintegração de posse  (16/09/2014 – Marco Ambrosio/Folhapress)

A Polícia Militar foi acionada nesta terça-feira para cumprir uma ordem judicial de reintegração de posse em um prédio invadido no Centro de São Paulo. Os invasores se recusaram a deixar o local e atiraram objetos – de sofás e camas a pedaços de madeira – das janelas contra os policiais. A polícia respondeu com gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral. Houve confronto. O clima é tenso. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Avenida São João está bloqueada entre o Largo do Paissandu e a Avenida Ipiranga. O confronto não tardou a resultar em cenas de vandalismo: um ônibus foi incendiado e mascarados tentam arrombar a porta de uma loja de telefona celular. Lojas da região estão fechadas.

O coronel da PM Glauco Silva de Carvalho informou à Globo News que, durante o confronto, ficaram feridos dois policiais, ambos já encaminhados para hospitais na região, e uma mulher grávida, que foi atendida e levada para um hospital público na região central da cidade. O coronel informou ainda que os detidos durante a reintegração de posse estão sendo levados para o 3º Distrito Policial – Campos Elíseos, na região da Santa Ifigênia, no Centro.

A reintegração de posse foi determinada pela 25ª Vara Cível do Foro Central a pedido do proprietário do imóvel localizado na Avenida São João. Pela manhã, policiais tentavam um acordo para desocupação pacífica com as cerca de 200 famílias que moram no prédio – a tentativa não foi bem-sucedida porque líderes do movimento cobram caminhões para realizara a mudança. Imagens de televisão mostraram o blindado do Choque avançando contra o prédio, na tentativa de arrombar a porta. As famílias começaram a deixar o prédio por volta das 10h15. Nas ruas ao redor, porém, o conflito prossegue.

O prédio de vinte andares foi invadido há seis meses pelo coletivo da Frente de Luta por Moradia (FML). De acordo com a PM, um acordo chegou a ser firmado, mas líderes cobraram caminhões para realizar a mudança. Segundo a SPTrans, o bloqueio da PM nas avenidas próximas afeta um ponto de ônibus e cerca de trinta linhas de ônibus foram alteradas.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP) informou que essa não é a primeira vez que policiais tentam cumprir a reintegração. No dia 27 de agosto, a ação tinha sido suspensa porque os oficiais de Justiça avaliaram que a quantidade de caminhões e transportadores ainda não era suficiente. A ação continua ocorrendo no centro da capital. (Veja/Com Estadão Conteúdo)

Os presidentes estaduais no Ceará do PSDB e do PR decidiram apoiar Marina por 'solidariedade'

Os presidentes estaduais no Ceará do PSDB e do PR decidiram apoiar Marina por ‘solidariedade’ (Ueslei Marcelino/Reuters)

O presidente do PSDB do Ceará e também candidato a deputado estadual, Tomás Figueiredo Filho, e o presidente estadual do PR, o ex-governador do Ceará, Lúcio Alcântara, decidiram trocar de lado e declararam apoio à presidenciável Marina Silva (PSB). No Estado, o PR está coligado ao PMDB e ao PSDB, que têm o senador Eunício Oliveira e Tasso Jereissati como candidatos a governador e ao Senado, respectivamente. “Temos muitos pontos políticos em comum”, alegou Figueiredo Filho. Ele afirmou que sua decisão foi tomada por ”solidariedade” à candidata do PSB após um conflito ocorrido no último dia 13 em Sobral (CE), onde a ex-ministra do Meio Ambiente teria sido impedida de caminhar pelas ruas para evitar conflitos com a oposição local.(Veja/Com Estadão Conteúdo)

Ibrahim foi baleado três vezes (Foto: Reprodução)

A secretária do médico Anuar Ibrahim Mitre, baleado por um paciente nesta segunda-feira (15), prestou depoimento e afirmou que o atirador foi operado pelo urologista.  Daniel Edmans Forti, que também era médico, foi paciente de Ibrahim por cinco anos. Hoje, ele não tinha consulta marcada, mas chegou ao consultório, no Centro de São Paulo, e pediu para ser atendido. Depois de atirar em Ibrahim, o atirador se matou. O médico, que é vice-diretor clínico do Hospital Sírio-Libanês, foi levado à unidade e passou por cirurgia.

O crime aconteceu por volta das 16h, no consultório do médico, que fica em frente ao Sírio-Libanês.

A secretária, que prefere não se identificar, foi a única testemunha do crime. “Ele (assassino) chegou e se identificou como paciente. Eu disse que iria avisar o doutor e pedi para ele esperar. Quando o outro paciente saiu da sala, ele passou por trás do paciente e já falou um palavrão. E em seguida já atirou”, disse ao G1.

Ela contou ainda que Forti sofreu um acidente de moto no Rio e passou por cirurgia, ficando com problema na uretra depois. Por conta disso, ele passou a ver o especialista e passou por um procedimento de cirúrgico. A secretária não sabe o que pode ter motivado o crime.

Mesmo com os tiros na cabeça, braço e costas, o médico estava consciente quando foi socorrido. (Correio da Bahia)

Imagine a situação. O contrato de aluguel venceu e o proprietário do imóvel está cobrando oito vezes mais pelo mesmo espaço. O que fazer? Mudar é a resposta natural. A indústria brasileira passa por situação parecida em relação ao custo da energia elétrica, com um agravante: não há para onde ir.

Em dezembro do ano passado, o custo médio da energia elétrica para a indústria passou de R$ 292,7 por megawatt/hora (MW/h) para R$ 310 em maio e deve encerrar o ano ao preço de R$  342, de acordo com dados de um estudo feito pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). E a projeção em dezembro de 2015 é que o valor seja aumentado para R$ 420. Ou seja, em dois anos, o custo da energia para a indústria será ampliado em 44%.

O reajuste, provocado pela seca prolongada, deve colocar o Brasil no indesejável grupo dos quatro países com a energia mais cara do mundo, atrás apenas de Índia, Itália e Singapura. Atualmente, o país ocupa  a oitava colocação em um ranking com 28 países.

Mas o cenário ainda é pior, uma vez que a pesquisa da Firjan leva em conta apenas os consumidores industriais que adquirem energia no chamado mercado cativo de energia, que é o mesmo em que estão os consumidores finais e onde os reajustes de preços são controlados pelo governo, através da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

No caso dos grandes consumidores que optaram pelo chamado mercado livre de energia, onde a negociação é feita diretamente entre empresas e produtores de energia, o céu, que nesse caso nada tem a ver com a ideia de um paraíso, é o limite.

“Imagine a situação de uma empresa, cujo contrato de energia está vencendo, parte para negociar um contrato novo e percebe que vai ter que pagar quatro, seis ou até oito vezes mais do que vinha pagando. Não é o tipo de aumento de custo que é fácil de absorver”, pondera o presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres, Paulo Pedrosa.

Leia na íntegra

Símbolos de candomblé no Dique do Tororó em Salvador

O candidato a deputado federal pelo PRTB Pastor Elionai Muralha rebateu críticas de que teria praticado intolerância religiosa e afirmou que desistirá do pleito se a Procuradoria Regional Eleitoral e o Ministério Público Estadual decidirem que ele deve retirar sua proposta de “transposição dos orixás” de órgãos públicos, rios, lagoas e apas.

O secretário da executiva municipal do Partido Popular da Liberdade de Expressão (Pepelê), que reúne membros das religiões afro-brasileiras, Edmilson Sales e a Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Ameríndia (AFA) anunciaram na semana passada que entraram com representações contra Elionai por “infração da legislação eleitoral e intolerância religiosa”.

Ontem, o advogado do candidato, Rogério Matos, informou que entraria com um pedido nos dois órgãos para que as representações fossem “logo avaliadas” e acabasse “com a polêmica”. “Essa é a minha bandeira. Se o Ministério Público deferir que eu devo retirar minha bandeira, não teria sentido em manter meu pleito. O MP vai ser assertivo na avaliação, considerando que eu não pratico ódio religioso. Meu tom (nos vídeos) é respeitoso. Tenho muito respeito pelo candomblé. Trato de isonomia na função social de órgãos e repartições que não podem atender a uma única crença”, afirmou.

“Local público não pode ser confundido com local de culto. A Bahia é conhecida de uma única crença: o candomblé. Não tem cabimento”.(A Tarde)

A presidenciável pelo PSB, Marina Silva, chega a Salvador na próxima quinta-feira (18), e deve realizar comício, além de cumprir uma agenda que prevê reunião com o Movimento Negro da capital baiana.

A informação foi confirmada por Domingos Leonelli, candidato a deputado federal e coordenador da campanha da postulante ao governo baiano, Lídice da Mata.

Segundo o socialista, há a previsão para a realização  de um comício, mas devido a proximidade da visita, ainda não é possível confirmar se terá tempo o suficiente para a organização.

Ele garante, no entanto, que Marina vai se reunir com as lideranças do Movimento Negro, conforme já foi noticiado pela Tribuna. Líderes do PSB na Bahia estão esperançosos com a vinda de Marina para alavancar a candidatura de Lídice no estado.

Esta será a segunda visita que a ex-ministra faz à Bahia como candidata à presidência da república pelo PSB. Ela estava nas cidades de Brumado e Vitória da Conquista, no dia 06 de setembro.

Antes da oficialização de sua candidatura, ocorrida após a morte do ex-governador Eduardo Campos, Marina esteve três vezes na Bahia: uma delas em Feira de Santana, onde realizou encontro com evangélicos ao lado de Lídice da Mata, e outra em Santo Amaro, em encontro com as vítimas de uma fábrica de chumbo da região.

A expectativa dos socialistas é grande em torno da vinda de Marina, que se declarou como “brasileira nata, nascida em Rio Branco – AC, no dia 08/02/1958, do sexo feminino, cor/raça preta”, em documento do Tribunal Superior Eleitoral que oficializa sua candidatura.

Além de fortalecer a campanha de Lídice, os socialistas esperam que ela dissolva a resistência que estaria sofrendo por parte do movimento negro devido à sua crença religiosa: evangélica da Assembleia de Deus.

Segundo o Ibope, a maioria dos seus eleitores este ano são brancos. Os que se declaram como negros e pardos ainda dão preferência a adversária petista Dilma Rousseff.

Em 2010, quando disputou as eleições para presidente e conquistou cerca de 20 milhões de votos no País, a ex-senadora disse querer ser “a primeira mulher negra, de origem pobre, presidente da República Federativa do Brasil”. (Tribuna da Bahia)

Apesar de a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE-BA) não ter o levantamento de quantas denúncias por compra de votos foram feitas este ano, dirigentes dos órgãos que organizam o processo eleitoral admitem a existência da prática ilícita, porém, relatam as dificuldades para realizarem investigações.

Não é de hoje que se fala da aquisição ilícita de pleito, prática de adquirir votos em troca de bem ou vantagem de qualquer natureza, como dinheiro, emprego e influência política.

Muitos postulantes se arriscam com o método mesmo com as punições que vão desde o pagamento de multas à cassação do registro ou do diploma.

Entretanto, mesmo com o conhecimento de que esses casos existem, muito pouco ainda é averiguado.

Na Bahia, 900 pessoas tiveram suas candidaturas deferidas, o que impossibilita diante da estrutura do Poder Judiciário uma maior fiscalização. Pelo menos, esse é o cenário apresentado pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Lourival Almeida.

Segundo ele, o Judiciário precisa ser provocado para investigar as ocorrências. A argumentação também é de que o sistema existente abre brechas para as ocorrências de caixa dois e compra de votos.

“Nosso poder Judiciário tem um compromisso muito sério com as eleições, mas é evidente que ele deve ser provocado pelas partes. Qualquer denúncia que tiver e aí eu aproveitopara convocar até a imprensa para que nos ajude neste particular para que tenhamos eleições transparentes”, afirmou.

Conforme o presidente do Tribunal, o poder econômico no atual processo chega a ser abusivo e para que isso seja mais coibido seria preciso transformar as leis vigentes no país.

“É de fazer vergonha. Nas eleições, o poder econômico está acima de tudo, e aí é preciso mudar a legislação eleitoral e não jogar a sobrecarga para o Judiciário eleitoral. Tem uma legislação que aí está que é caótica, eu diria que chega a ser hipócrita em demasia. Por que não mudam lá no Congresso para que haja uma reforma eleitoral profunda para que a campanha seja financiada com dinheiro público e não dessa forma como aí está?”, questionou em tom de cobrança aos próprios políticos que encabeçam as casas legislativas.

Almeida destacou que o Tribunal cumpre bem seu papel, apesar de frisar que há limitações. “Nós diuturnamente estamos atentos mais do que tudo, desde que a denúncia não seja apócrifa e anônima, – mas ainda assim até denúncia anônima eu já mandei investigar –, mas o poder Judiciário não tem poder investigativo policialesco a esse ponto porque alguém disse que houve uma negociação espúria e a gente tem que entrar nesse emaranhado. Nós estamos aqui é para julgar”, ressaltou.

As informações foram respostas aos questionamentos ligados às afirmações de candidatos, a exemplo do petista Rui Costa, na corrida ao governo, que na última semana acusou, sem citar nomes, adversários de omitirem gastos em suas declarações e de que tem deputado comprando votos no interior, sem ter pisado os pés no município.

A concorrente ao Senado, Eliana Calmon (PSB), também já revelou à reportagem da Tribuna, de que lideranças estariam cobrando para fazer campanha nos bairros de Salvador. “Não podemos nos transformar aqui em super juízes em juízes Hercules, mas não tergiversaremos nem um instante sequer em nossas atividades,sem dúvida e sem qualquer titubeio”, frisou Almeida.

O procurador regional eleitoral, Rui Nestor, disse que em relação aos casos apresentados pelos candidatos na imprensa, não cabe à Procuradoria a “apuração de denúncias genéricas de compra de votos, sem indicação de pessoas que teriam realizado a compra de votos ou de testemunhas, apenas a apuração de casos concretos”.

Segundo ele, maior investigação demandaria rastreamento de transação bancária, comparação com dados apresentados à Receita Federal. Porém ainda assim ele destacou ser fundamental a denúncia dos cidadãos. “Por exemplo, alguém pode nos dizer que em um megaevento houve uma irregularidade e depois na prestação de contas nós vamos fazer uma avaliação”, citou.

Papel da mídia

O papel da mídia nas eleições foi assunto de destaque no workshop realizado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ontem.

A importância de uma relação mais próxima com os veículos de comunicação foi ressaltada pelos juízes eleitorais, que citaram casos ao longo da história, como impeachment do ex-presidente Collor, o episódio do Mensalão e, mais recente, a delação premiada de um ex-diretor da Petrobras, com denúncias de irregularidades, para reforçarem o exercício democrático da imprensa.

O evento teve a participação do presidente do órgão, Lourival Almeida, do procurador regional eleitoral Rui Nestor, do assessor técnico Jaime Barreto, do professor e pesquisador Wilson Gomes e dos jornalistas Osvaldo Lyra, editor de Política deste jornal,  e Jefferson Beltrão, âncora do telejornal BATV e da rádio Globo FM, da Rede Bahia.

Integrante da mesa, o editor de política da Tribuna, Osvaldo Lyra falou sobre o trabalho diário da busca de informações e da cobertura eleitoral.

O profissional deu ênfase à “busca incessante pelo equilíbrio desde a produção das pautas ao fechamento, dando espaço a todos os candidatos”. (Tribuna da Bahia)

6º BPM apreende adolescentes infratores

Em diligência, após denúncias de assaltos, policiais da 2ª Companhia do 6º Batalhão de Polícia Militar apreenderam dois adolescentes de 16 anos por ato infracional equivalente a roubo, nesta segunda feira (15), às 19h30, na Rua Porto Alegre, Bairro Santos Dumont, em Senhor do Bonfim.

Os menores estavam em uma motocicleta Honda Pop 100, de placa OKI5900, com uma arma de brinquedo e quatro celulares roubados. Ambos foram apresentados na delegacia de Polícia Civil e identificados pelas vítimas.

 

Quadrilha teria pago mais de R$ 300 a diretor de Casa de Detenção, para ser solta (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Segundo a Polícia Civil, quadrilha de assaltantes teria pago R$ 300 mil a diretor de Casa de Detenção, para ser solta

Uma série de mensagens interceptadas pela Polícia Civil comprovam a ligação entre criminosos e o diretor da Casa de Detenção do Complexo de Pedrinhas, Claudio Henrique Bezerra Barcelos. Nesta segunda-feira (15), ele foi preso preventivamente por suspeitas de receber dinheiro para facilitar fugas e saídas de detentos da unidade prisional.

A Casa de Detenção (Cadet) é uma das sete unidades do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, que também é formado pelo presídio feminino, Centro de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), Presídios São Luís I e II, Triagem, e Centro de Detenção Provisória (CDP). O Complexo é conhecido internacionalmente pelos problemas de segurança causados por fugas e mortes, e também foi palco de brigas de facções, com presos decapitados. Somente na Casa de Detenção, nos últimos 11 meses, 10 detentos morreram no local e pelo menos 20 ficaram feridos após briga entre facções criminosas.

Segundo a Polícia Civil, o diretor do presídio era investigado há três meses e foi descoberto que ele mantinha um esquema para colocar os presos em liberdade e mantê-los soltos o tempo que eles precisassem. Quanto maior o tempo na rua, maior o preço cobrado.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, uma quadrilha de assaltantes chegou a pagar R$ 300 mil para sair da cadeia e ir embora de vez. Imagens do circuito interno de Pedrinhas mostraram a quadrilha inteira indo embora. A autorização para a saída era feita com um documento falso, assinado pelo diretor. Mas para o sistema carcerário, os detentos continuavam presos.

Segundo o delegado que preside o inquérito, André Gossain, Barcelos admitiu ter liberado quatro presos, mas nenhum por dinheiro em troca. “Ele afirma que eram detentos de boa conduta, e que também autorizava saídas temporárias, mas que ficava monitorando os beneficiados. Concidentemente, um dos presos voltava para o presídio quando o diretor era preso. Vamos ouví-lo agora”, afirmou o delegado.

Leia na íntegra/Assista vídeo

‘TORTUOSOS TRAJETOS DO DILMÊS’

Publicado no Estadão desta segunda-feira (15)

Se algo ficou evidente nos anos de governo Dilma foi a incrível batalha que ela mantém com a língua portuguesa e com o próximo — seja ele quem for. Nestes anos, o País pôde conhecer em detalhes o dilmês, um modo único de falar, que expressa não apenas ideias desconexas, mas evidencia um jeito conflituoso de se relacionar com o interlocutor. Talvez isso explique o fato de, apesar da sua longa vivência política, até 2010 Dilma Rousseff nunca ter disputado nenhuma eleição. Para ela, a comunicação em público e com o público deve ser um tormento. Mas o dilmês não é apenas uma maneira de falar. É também um comportamento que tem caracterizado a sua administração, marcada pelo convívio difícil, se não rude, com seus auxiliares, ações descoordenadas e falhas de harmonia. (Veja/Blog do Augusto Nunes)

» Clique para continuar lendo

 

Brazil's former president da Silva gives the thumbs-up during a demonstration in Rio de Janeiro

Na discurseira diante do prédio da Petrobras, Lula prorrogou o prazo de validade do Glossário da Novilíngua Companheira, adotado pelo PT há 12 anos para substituir termos muito chocantes por outros que podem ser pronunciados sem que antes se tire as crianças da sala. Os bandidos de estimação do mestre, por exemplo, jamais praticam crimes. Apenas cometem, de vez em quando, um ou outro “erro”, palavrinha que parece reduzir a pecado venial até um matricídio consumado a machadadas.

Nesta segunda-feira, durante a escala no centro do Rio, o palanque ambulante ensinou que foi isso ─ na pior das hipóteses ─ o que aconteceu na estatal transformada em sucursal de quadrilha. Se alguém errou, concedeu, deve ser investigado. O que Lula não tolera é ver a Petrobras alvejada por “ataques” que comprometem a excelente imagem da empresa. “Ataque”, segundo o glossário dos linguistas de porta de cadeia, é qualquer espécie de crítica a sacerdotes da seita lulopetista. Era, portanto, um recado enviesado a Aécio Neves, Marina Silva e outros inimigos da pátria.

Em países civilizados, o criminoso só volta ao local do crime em romances policiais. No Brasil, o chefe do bando se enfia num uniforme usado pelos funcionários da vítima, aparece sem algemas no cenário das muitas delinquências e ameaça aos berros quem ousa espantar-se com um portentoso caso de polícia. Para Lula, atacantes são os defensores da lei e da empresa atacada desde 2004 pela turma que nomeou e a afilhada manteve. Desta vez, o palavrório não convenceu sequer os nacionalistas de galinheiro.

A Polícia Federal, o Ministério Público e o Judiciário já sabem o suficiente para induzir a um acordo de delação premiada o ex-diretor Paulo Roberto Costa. Dilma garante que nunca teve intimidade com o amigo que fez questão de convidar para o casamento da filha. Lula logo estará jurando que não conhece nem de vista o companheiro que chamava de “Paulinho” nas frequentes conversas no Planalto. As revelações do ex-diretor estão longe do fim. É bom que os quadrilheiros se cuidem.

O juiz federal Sérgio Moro, que cuida do caso, é homem íntegro. Ao contrário do que ocorreu na última etapa do julgamento do mensalão, não pode ser substituído por algum magistrado que, em vez de cumprir a lei, cumpre ordens. (Veja/Blog do Augusto Nunes/Direto ao Ponto)

TRÊS EX-MINISTROS DE LULA COM MARINA

cristovam

Cristovam: apoio a Marina

Será divulgado hoje um grande manifesto de apoio a Marina Silva, assinado por políticos e intelectuais. Três ex-ministros de Lula aparecem na lista  em favor da ex-colega de ministério – Gilberto Gil, José Viegas e Cristovam Buarque. O manifesto, aliás, foi escrito por um dos três. (Veja)

Por Lauro Jardim

No Rio, Lula voltou a assumir o papel de protagonista em um evento da campanha de Dilma

Criatura e criador: Lula voltou a assumir o papel de protagonista em um evento da campanha de Dilma 

O nome do encontro era Cultura com Dilma, no Rio de Janeiro, e a proposta, reunir artistas e intelectuais que divulgariam seu apoio à presidente e candidata à reeleição e, em troca, ouviriam algumas de suas propostas para a área. O que se viu, porém, foi um show particular do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ataques diretos aos adversários Marina Silva e Aécio Neves, além de críticas gratuitas ao também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Nas poucas vezes em que manteve o foco do discurso em cultura, Dilma Rousseff prometeu destinar parte dos rendimentos do pré-sal para projetos do setor – sem especificar o quanto. De resto, dedicou-se a reafirmar amor e confiança plena na Petrobras e dizer que “esse caso mais recente” – referindo-se ao escândalo de corrupção e lavagem de dinheiro, mas sem citar nomes – só foi descoberto porque o seu governo deu liberdade ao trabalho da Polícia Federal. “Nem eu nem o Lula jamais varremos nada para debaixo do tapete”, declarou.

Com uma hora e quarenta minutos de atraso, Dilma e Lula subiram ao palco por volta das 20h40 desta segunda-feira, ovacionados por um público de mais de mil pessoas que lotava o Teatro Oi Casa Grande. Do lado de fora, um número semelhante de militantes acompanhava tudo por um telão. Vez ou outra, pessoas que passavam em carros ou ônibus pela avenida do bairro do Leblon, na Zona Sul, se aproximavam das janelas para gritar insultos à presidente e ao PT. Mas dentro do teatro, o clima era ufanista e sem espaço para críticas à candidata apelidada de “coração valente” no jingle que tocava sem parar, em ritmo de forró. Entre as celebridades que assinaram o manifesto a favor de Dilma e participaram do evento estavam os cantores Beth Carvalho, Otto, Elza Soares e Chico César, os atores Osmar Prado e Chico Diaz e a professora Marilena Chauí. Chico Buarque, um dos idealizadores do evento na eleição de 2010, foi lembrado, mas não compareceu.

Leia na íntegra

DOAÇÕES DE CAMPANHA SOMAM R$ 1 BILHÃO

Os 19 maiores financiadores de campanha respondem por metade do valor doado até agora por empresas e indivíduos na eleição deste ano. As contas de partidos, comitês e candidaturas em todo o País receberam desses 19 grupos privados R$ 522 milhões do total de R$ 1,040 bilhão vindo de contribuições de pessoas físicas e jurídicas até agora.

Esses valores são todos de origem privada e calculados após levantamento que elimina distorções ou eventuais erros cometidos pelas candidaturas. Somando-se o que vem do Fundo Partidário, cuja origem são recursos públicos, o dinheiro que circulou até agora nas campanhas supera R$ 1,138 bilhão.

E isso é só o começo. O montante de R$ 1,040 bilhão refere-se ao que foi declarado por candidatos a presidente, governador, senador e deputado federal e estadual ou distrital até 6 de setembro. Como se trata de uma prestação de contas parcial, não é possível comparar com o que foi arrecadado na eleição de quatro anos atrás.

A concentração das doações é significativa. São quase 29 mil doadores até agora, mas 2 de cada 3 reais arrecadados pelas campanhas vieram dos 100 maiores doadores. Sozinho, o maior deles, o Grupo JBS, doou até agora R$ 113 milhões, ou 11% do total doado.

Dona de marcas como Friboi, Swift e Bertin, o grupo tem outras empresas que também doaram, como Seara e Flora Higiene-Limpeza.

O PT foi o partido que mais recebeu da JBS: R$ 28,8 milhões – ou 1 de cada 4 reais doado pela empresa. O PSD ficou em segundo lugar, com R$ 16 milhões, e o PMDB, em terceiro, com R$ 14 milhões. Entre todos os candidatos, a maior beneficiada pelas doações da JBS foi a presidente Dilma Rousseff.

O setor de alimentação tem uma outra grande doadora. O grupo Ambev – dono de marcas como Brahma, Antarctica e Skol – aparece em quarto lugar no ranking, com R$ 41,5 milhões doados. O dinheiro foi recebido principalmente por candidatos e comitês do PMDB (R$ 12 milhões), PT (R$ 11 milhões) e PSDB (R$ 8 milhões).

O setor financeiro tem duas das 10 maiores doadoras. O grupo Bradesco está em sexto, somando R$ 30 milhões em contribuições vindas de empresas como Bradesco Vida e Previdência, Bradesco Saúde e Bradesco Capitalização, entre outras.

Leia na íntegra

 

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo processo da Operação Lava Jato na primeira instância, determinou nesta segunda-feira (15) que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso no Paraná, se apresente na quarta (17) à CPI mista que investiga denúncias de irregularidades na estatal. No despacho, o magistrado determinou que a Polícia Federal (PF) tome as providências necessárias para assegurar a escolta de Costa para Brasília.

Questionado pela comissão, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), divulgou na última sexta (12) que a CPI não precisava de autorização judicial para ouvir o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras. Zavascki, entretanto, ressaltou que Paulo Roberto Costa tem “garantias constitucionais” a serem observadas pelo Legislativo, como o direito de permanecer em silêncio na audiência.

Diante da posição do Supremo, coube ao juiz federal Sérgio Moro tomar as medidas práticas para viabilizar o traslado do detento para a capital federal. O magistrado destacou que, em razão de não estar sendo acusado de crimes praticados com violência ou ameaça grave, a polícia deve evitar o uso de algemas na apresentação de Paulo Roberto Costa.

“De forma desnecessária e redundante, consigno, não obstante, que a Paulo Roberto Costa devem ser garantidos os direitos inerentes à condição de acusado/investigado, inclusive direito ao silêncio e à assistência pelo defensor constituído”, escreveu o juiz no despacho.

Na tarde desta segunda, a Polícia Federalinformou à Justiça Federal do Paraná que já havia notificado Costa sobre seu comparecimento na sessão de quarta-feira da CPI.

Leia na íntegra/Assista vídeo

(Foto: ABr)

O ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli voltou a negar a existência de superfaturamento e pagamento de propina nas obras de construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Em depoimento prestado nesta segunda-feira (15) na Justiça Federal no Paraná, responsável pela investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Gabrielli também disse não ter ligações com o doleiro Alberto Youssef, réu na ação penal. Ele depôs como testemunha, chamado pela defesa de Youssef.

Assim como no depoimento prestado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, Gabrielli reafirmou que não houve superfaturamento na obra. “Não tenho nenhum conhecimento concreto. As auditorias e os procedimentos internos da Petrobras não indicam nenhum comportamento desse tipo. Se há esse comportamento, não foi do meu conhecimento”, declarou ao juiz.

Gabrielli confirmou ao juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso, que a construção  da Refinaria Abreu e Lima estava vinculada à Diretoria de Abastecimento, que à época era comandada por Paulo Roberto Costa, suspeito de participar do suposto esquema de desvio de verbas da Petrobras. O ex-presidente da empresa também relatou que somente os contratos acima de R$ 32 milhões precisavam de autorização do Conselho de Administração para serem executados. Valores abaixo da quantia ficavam sob a responsabilidade do diretor da área envolvida na operação.Gabrielli disse não saber  se houve alguma influência do ex-deputado José Janene, morto em 2010, na indicação de Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento.

Segundo Gabrelli, cabe ao Conselho de Administração aprovar e demitir diretores. Janene foi réu na Ação Penal 470, o processo do mensalão, julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).”A decisão sobre a composição da diretoria é uma decisão que é tomada no âmbito do governo. O presidente da Petrobras é comunicado. As razões e motivações são problemas internos do governo.  Paulo Roberto Costa era um técnico de carreira, com uma tradição na companhia, vinha da área de exploração e produção, não era da área de refino, foi apresentado pelo conselho e foi aprovado “, ressaltou.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), os desvios na construção da refinaria pernambucana ocorreram por meio de contratos superfaturados, feitos com empresas que prestaram serviços à Petrobras entre 2009 e 2014. Segundo o MPF, a obra, inicialmente orçada em R$ 2,5 bilhões, custou mais de R$ 20 bilhões. A investigação indica que os desvios tiveram a participação de Paulo Roberto Costa, então diretor de Abastecimento, e de Alberto Youssef, dono de empresas de fachada. (Correio da Bahia)

Por Gerson Camarotti

A cúpula petista ficou em alerta com o depoimento prestado nesta segunda-feira (15) pelo ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli à Justiça Federal, em Salvador. Ele foi arrolado como testemunha do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa num dos processos da Operação Lava Jato.

O temor de integrantes do PT ouvidos pelo Blog é que Paulo Roberto Costa tenha citado Gabrielli durante sua delação premiada. E que, agora, o juiz federal Sérgio Moro tenha pedido esse depoimento do ex-presidente da Petrobras para checar eventuais contradições ao longo das investigações.

O depoimento de Gabrielli foi dado a Moro por meio de videoconferência. No depoimento, Gabrielli foi questionado sobre a indicação de Paulo Roberto Costa para uma das principais diretorias da estatal. Gabrielli também foi perguntado sobre processos licitatórios de obras da Petrobras, que, para o TCU, estão superfaturadas.O ex-presidente da estatal chegou a afirmar que dificilmente um diretor poderia tomar uma decisão individual sobre licitação acima de R$ 32 milhões e divergiu dos conceitos do TCU sobre superfaturamento. (G1)

 

O PODER E O CRIME - Enivaldo Quadrado (à direita), o chantagista, é pago pelo PT para manter em segredo o golpe que resultou no desvio de 6 milhões de reais da Petrobras, em outro caso de chantagem que envolve o ministro Gilberto Carvalho, o mensaleiro José Dirceu e o ex-presidente Lula

O PODER E O CRIME - Enivaldo Quadrado (à direita), o chantagista, é pago pelo PT para manter em segredo o golpe que resultou no desvio de 6 milhões de reais da Petrobras, em outro caso de chantagem que envolve o ministro Gilberto Carvalho, o mensaleiro José Dirceu e o ex-presidente Lula (Montagem com fotos de Ailton de Freitas-Ag. O Globo/Joel Rodrigues-Folhapress/Rodolfo Buhrer-Estadão Conteúdo/Jeferson Coppola/VEJA)

O PPS vai pressionar os integrantes da CPI da Petrobras para convocarem Enivaldo Quadrado, condenado no processo do mensalão e que também tem ligações com o esquema do doleiro Alberto Yousseff. VEJA revelou que ele chantageou – de forma bem sucedida – o PT para omitir a ligação do partido com a trama criminosa que precedeu a morte do então prefeito de Santo André Celso Daniel.

Quadrado recebeu dinheiro do PT para que não entregasse à Polícia Federal informações sobre outra chantagem: o pagamento de 6 milhões de reais ao empresário Ronan Maria Pinto, investigado por integrar uma máfia incrustada na prefeitura petista. O depoimento de Ronan tinha o potencial de arrastar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro Gilberto Carvalho e o ex-ministro José Dirceu para o caso. O empresário ameaçava delatar a existência de um esquema de cobrança de propina que teria funcionado com o aval do comando nacional do PT.

Os 6 milhões de reais foram movimentados por meio de um contrato de empréstimo entre a empresa 2S, do publicitário Marcos Valério, e a Expresso Nova Santo André, de Ronan Maria Pinto – cuja convocação pela CPI o PPS também pede. Quadrado participou da trama ao contratar uma empresa que agiu de intermediária na negociação.

A CPI vai se reunir nesta semana para ouvir Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras e delator do amplo esquema de corrupção que beneficiou parlamentares. ”O ideal seria aprovar um novo pacote de requerimentos já na próxima quarta-feira, quando a comissão se reúne para ouvir Paulo Roberto Costa”, diz o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). (Veja)

PATROCÍNIO BILIONÁRIO

Maracanã: festa bilionaria

Maracanã: festa bilionária

A Globo acaba de  fechar as seis cotas de patrocínio do futebol em 2015 na emissora – o que significa além das transmissões das partidas dos estaduais, Copa Brasil, Brasileirão e jogos da seleção, o noticiário dos telejornais  e de programas como o Esporte Espetacular e Globo Esporte.

O contrato é coisa de gente grande. Cada cota custou 225 milhões de reais. No total, portanto, 1,350 bilhão de reais. Ambev, Volkswagen, Vivo, Johnson&Johnson e Itaú renovaram os contratos. A Coca-Cola pulou fora e foi substituída pelo Magazine Luiza.

A crise é grande, a recessão está na ordem do dia mas, não tem jeito, a bola vai continuar a rolar em 2015, de uma maneira ou de outra. (Veja)

Por Lauro Jardim

 

« Artigos Anteriores  Próxima Página »

Últimos Posts

    Últimos Comentários

      Mais Comentados