Aliados pessimistas (Foto reprodução\Google)

Veja\Por: Vera Magalhães

Alguns dos principais aliados da presidente afastada, Dilma Rousseff, têm feito avaliações semelhantes às do Planalto sobre suas chances de voltar ao poder: ou seja, pessimistas.

Em conversas recentes, esses antigos auxiliares dizem que, politicamente, a situação de Dilma já está definida.

Ainda que tecnicamente seja possível descaracterizar as razões para impeachment, dizem, os senadores já estão convencidos de que ela não tem condições políticas de retornar.


Conselho processará Bolsonaro por apologia à tortura (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Por:Correio da Bahia\Estadão Conteúdo
O Conselho de Ética da Câmara instaurou nesta terça-feira, 28, processo por quebra de decoro parlamentar contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). A representação do PV acusa o deputado por ter dedicado seu voto à favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar.

A instauração do processo foi possível porque, com o fim do processo disciplinar contra o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a pauta do colegiado foi destrancada.

Nesta manhã, foi realizado o sorteio dos três dos seis deputados do PT e PR aptos a relatar a ação disciplinar. Foram sorteados os deputados Zé Geraldo (PT-PA), Wellington Roberto (PR-PB) e Valmir Prascidelli (PT-SP), que não são do mesmo Estado, nem do mesmo partido ou do bloco parlamentar. O presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), conversará com os deputados e escolherá um dos três sorteados.

(Foto reprodução\Google)

Por: Jornal da Cidade Online

Com a prisão de Paulo Ferreira pela Operação Custo Brasil, todos os ocupantes do cargo de tesoureiro do PT nos últimos tempos estão devidamente encaminhados ao ‘xilindró’.

É evidente que tal fato não é uma mera coincidência.

Pelo contrário, não restam mais dúvidas de que o PT instrumentalizou a sigla para arrecadar dinheiro de toda a ordem para financiar suas campanhas políticas e enriquecer os seus dirigentes.

O ex-tesoureiro é suspeito de participar de um esquema com empréstimos consignados que teria desviado mais de R$ 100 milhões do Ministério do Planejamento. A operação também prendeu o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações, Paulo Bernardo (PT-PR).

Ferreira foi o sucessor de Delúbio Soares na tesouraria do PT e antecessor de João Vaccari Neto. Ocupou o cargo entre 2005 e 2010.

Depois de entregar a tesouraria do partido a Vaccari, concorreu a deputado federal, em 2010, em seu estado natal, o Rio Grande do Sul. Ficou como suplente, mas assumiu a cadeira entre 2012 e 2014. Na eleição seguinte, voltou a ser suplente, porém não tomou posse. Nos últimos anos, exerceu cargos de confiança na Câmara ligados ao PT. É casado com a ex-ministra Teresa Campelo.

É mais uma página da obscura trajetória petista que poderá ter novas e significativas revelações, mas que representa sem dúvida a maior traição do partido contra o trabalhador, vez que o PT, de acordo com o que está sendo investigado pelo Operação Custo Brasil, arregimentou um esquema que lesava o trabalhador silenciosamente e diretamente no holerite. (Da Redação)

Antônio Palocci, ex-ministro da Fazenda de Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, em 2006
Antônio Palocci, ex-ministro da Fazenda de Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, em 2006(Sebastião Moreira/AE/VEJA)

O empresário Otávio Marques Azevedo, presidente afastado da Andrade Gutierrez, afirmou em sua delação premiada que o ex-ministro Antonio Palocci cobrou 15 milhões de reais referentes a contratos para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. O dinheiro, segundo a delação, foi repassado ao economista Delfim Netto – ex-ministro da Fazenda no período da ditadura militar e um dos principais conselheiros do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Parte dos valores teria sido direcionado ao PT via doações oficiais nas campanhas de 2010, 2012 e 2014.

“Antonio Palocci, provavelmente em São Paulo, solicitou ao declarante o pagamento de 15 milhões de reais para Delfim Netto dedutível do 1% de propina a ser paga”, afirmou o presidente afastado da Andrade. “A empresa atendeu essa determinação de Palocci, porém descontou o valor pago a Delfim do montante total solicitado aos partidos PMDB e PT, em partes iguais.”

Palocci foi ministro da Casa Civil do governo de Dilma Rousseff e um dos coordenadores de campanha da petista em 2010. Ele já havia sido citado em outras delações da Lava Jato e, à época, afirmou que “jamais solicitou de quem quer que seja dinheiro ilícito”.

Leia na íntegra

(Foto reprodução\Google)
G1\Mariana Oliveira Da TV Globo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, opinou em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela concessão do perdão da pena imposta ao ex-chefe da Casa Civil José Dirceu no processo do mensalão do PT. Agora, caberá ao ministro Luís Roberto Barroso, relator das execuções penais do mensalão no STF, decidir se extingue a pena do petista.

Condenado a 7 anos e 11 meses de prisão, o ex-ministro passou a cumprir a pena do mensalão em 15 de novembro de 2013, após se esgotarem as possibilidades de recurso.

Atualmente, além de cumprir pena no mensão do PT, Dirceu está preso, em Curitiba, pelo envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. Ele é acusado de receber propina de fornecedores da Petrobras. Por este crime, ele já foi condenado a 20 anos e 10 meses de prisão pelo juiz federal Sérgio Moro, do Paraná.

Leia na íntegra

A presidente da República afastada, Dilma Rousseff, concede entrevista coletiva em Brasília (DF) - 14/06/2016

Para um conjunto de economistas, caso o Senado confirme a saída da presidente afastada, a confiança de investidores externos tende a crescer – e a confiança no quadro político é o elemento que falta para a injeção de recursos no país, que já tem títulos e ações com rentabilidade bastante atrativa(Ueslei Marcelino/Reuters)

Um segmento de economistas avalia que o real pode passar por uma nova rodada de valorização a partir de agosto, caso o Senado confirme a saída definitiva da presidente Dilma Rousseff. Os analistas observam que o ingresso de recursos externos na economia brasileira tende a aumentar com o avanço da confiança de investidores externos no país.

Se sacramentado o impeachment, o otimismo seria alimentado por mudanças estruturais na área fiscal, como a aprovação pelo Congresso do teto de gastos públicos vinculados à inflação e o lançamento de uma proposta de reforma da Previdência Social. A confiança tende a elevar a demanda por títulos nacionais, especialmente de renda fixa, mas também por ações. Os investidores já têm como atrativo a elevada rentabilidade oferecida por papéis brasileiros – o alto juro básico, de 14,25% ao ano, sustenta esse rendimento -, mas a demanda está represada pela incerteza no quadro político.

Leia na íntegra

A DOCUMENTAÇÃO FOI ANEXADA À PROPOSTA DE DELAÇÃO PREMIADA FEITA POR MARCOS VALÉRIO (FOTO: CELSO JUNIOR/ AE)

 

Por: Diário do Poder 

Documentação anexada à proposta de delação premiada feita pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza ao Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) comprovaria a compra, por integrantes do PSDB, de imóveis com a utilização de empréstimos fraudulentos junto ao antigo Banco Rural, o braço financeiro do esquema que ficou conhecido como mensalão tucano.

O empresário prestou depoimento a promotores na última terça-feira, 21. A expectativa do advogado de Marcos Valério, Jean Robert Kobayashi Júnior, é que a análise da delação seja concluída até quinta-feira, 30. A defesa do empresário não confirmou o teor da documentação entregue ao MP “por comprometer a possibilidade de acordo”.

Leia na íntegra

 (Foto reprodução\Google)

Por: Diário do Poder
A Operação Custo Brasil indica que o advogado Guilherme de Salles Gonçalves, suposto repassador de propinas para o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento/Governo Lula e Comunicações/Governo Dilma), bancou R$ 32 mil referentes a custos de um loft alugado em Brasília para uso da senadora Gleisi Hoffmann durante a campanha de 2010.Gonçalves, preso pela Polícia Federal domingo, 26, no Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos/Cumbica, quando chegou de uma viagem a Portugal, teria usado seu escritório em Curitiba para bancar despesas de caráter eleitoral da petista.

Gleisi é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal. Ela detém foro privilegiado perante a Corte.

Nesta segunda, 27, Gonçalves foi ouvido em audiência de custódia pelo juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6.ª Vara Federal Criminal, que deflagrou a Custo Brasil.

Leia na íntegra

PF faz operação contra fraudes na Lei Rouanet

Polícia Federal
Polícia Federal deflagra Operação Boca Livre, em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal (Vagner Rosário/VEJA)

Veja\Por: Rodrigo Rangel

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira a Operação Boca Livre, que tem como alvos empresas que atuam na captação de recursos por meio da Lei Rouanet. Uma das suspeitas é a empresa Bellini Cultural, responsável pela captação de incentivos, por meio da Lei Rouanet, para a publicação de livros, promoção de grandes artistas, como Roberto Carlos e Daniela Mercury, e exposições de painéis fotográficos.

Ao todo estão sendo cumpridos mandados de prisão temporária e de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Os investigadores apontam que, ao longo de 20 anos, o grupo criminoso conseguiu abocanhar 180 milhões de reais em projetos a partir de superfaturamento de contratos, notas fiscais falsas e projetos duplicados.

Na Operação Lava Jato, que desvendou o bilionário esquema de cobrança de propinas em contratos com a Petrobras, a força-tarefa da Operação Lava Jato recolheu indícios que podem colocar em xeque a lisura de iniciativas culturais do país por meio da Lei Rouanet. O delegado da Polícia Federal Eduardo Mauat, por exemplo, encaminhou ofício ao Ministério da Transparência Fiscalização e Controle solicitando detalhes sobre os 100 maiores recebedores e captadores de recursos via Lei Rouanet nos últimos dez anos. Ele quer saber os valores recebidos pelos 100 maiores beneficiários naquele período discriminando a origem (Fundo Nacional de Cultura ou Fundos de Investimento Cultural e Artístico), os responsáveis por aprovar a liberação de verbas e também se houve prestação de contas dos projetos aprovados.

Na operação de hoje, além da Bellini, são citadas as empresas Scania, KPMG e o escritório de advocacia Demarest, Roldão, Intermedica Notre Dame, Laboratório Cristalia, Lojas 100, Nycomed Produtos Farmacêuticos e Cecil.

EVANGÉLICO DA ASSEMBLEIA DE DEUS, FONSECA É CONSIDERADO ALIADO DE EDUARDO CUNHA (FOTO: EBC)

 

Por: Diário do Pòder
O deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF) vai ser o relator do recurso do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. O peemedebista tenta anular a votação do parecer pela sua cassação.

Fonseca foi escolhido pelo presidente da Câmara, Osmar Serraglio (PMDB-PR), nesta segunda-feira (27). Evangélico da Assembleia de Deus, Fonseca é considerado aliado de Eduardo Cunha. Serraglio, por meio de nota, justificou a nomeação do deputado afirmando que levou em conta a sua “competência e experiência como advogado”.

No recurso apresentado na semana passada, a defesa de Cunha questiona diversos pontos do processo no Conselho de Ética. O parecer do relator no colegiado, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), foi aprovado por 11 votos a 9 pela cassação do mandato parlamentar dele.

O prazo para o relator apresentar o seu parecer vai até a próxima sexta-feira, 1º. A expectativa é que a próxima reunião da comissão para leitura do relatório seja marcada na semana que vem, provavelmente, na terça-feira, 5.

Bud Spencer (Foto: Reprodução / Facebook oficial do artista)
Bud Spencer (Foto: Reprodução / Facebook oficial do artista)

Do G1, em São Paulo

O ator Bud Spencer, conhecido pelos filmes de pancadaria com Terence Hill, morreu nesta segunda-feira (27) em Roma, na Itália, aos 86 anos, informa a imprensa italiana, que cita um comunicado do filho do artista: “Papai se foi pacificamente, às 18h15. Ele não sofreu, estávamos todos ao seu lado e sua última palavra foi ‘obrigado’”.

Spencer, cujo nome verdadeiro era Carlo Pedersoli, ficou conhecido por sua atuação em filmes de western spaghetti (velho oeste produzido na Itália) nos anos 1970, como “Chamam-me Trinity” (1970), em uma longa parceria com o amigo Terence Hill. A dupla também fez diversos longas de aventura cômica, como “Dois tiras fora de ordem” (1977).

Ele nasceu em Nápoles, na Itália, no dia 31 de outubro de 1929, e chegou a se mudar com a família aos 17 anos para o Rio de Janeiro, mas retornou a Roma.

 

Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann
Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann(Rodolfo Buhrer/La Imagem/Fotoarena/Folhapress)

Veja\Por: Laryssa Borges, de Brasíli

Quatro dias após a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, alvo principal da Operação Custo Brasil, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), mulher do petista, atacou o Ministério Público e o Poder Judiciário e, em discurso no plenário do Senado nesta segunda-feira, disse que a detenção do marido é um exemplo de “tortura da era moderna”. De volta ao Congresso, depois de submergir com a prisão de Bernardo, Gleisi criticou o que chamou de “carnaval midiático” e afirmou que o ex-ministro vai provar sua inocência.

Paulo Bernardo foi alvo do primeiro desdobramento da Operação Lava Jato em São Paulo e está envolvido, segundo o MP, no desvio de milhões de reais em contratos de prestação de serviços de informática no Ministério do Planejamento. O ex-vereador petista Alexandre Romano é o pivô da Operação Custo Brasil e o principal delator contra o casal Gleisi-Paulo Bernardo. Conhecido como Chambinho, era ele o responsável por gerenciar a propina oriunda de um contrato milionário da empresa de informática Consist no Ministério do Planejamento. O negócio rendeu comissões da ordem de 100 milhões de reais, dinheiro que, segundo a Polícia Federal, era dividido entre o PT e pessoas ligadas ao partido que haviam facilitado a celebração do contrato (a Paulo Bernardo, sustentam os investigadores, foram destinados 7 milhões de reais).

Leia na íntegra

 
Comissão Especial do Impeachment 2016 realiza reunião para ouvir testemunhas, em Brasília
Comissão Especial do Impeachment 2016 realiza reunião para ouvir testemunhas, em Brasília(Jefferson Rudy/Ag. Senado)

Depois de um apagão de energia elétrica que atingiu edifícios da Esplanada dos Ministérios e da Praça dos Três Poderes, a comissão processante do impeachment no Senado teve de encerrar as atividades do dia antecipadamente. O motivo, segundo senadores, é a falta de geradores extras de energia. O aparelho em funcionamento, conforme o relato do tucano Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), só teria mais seis minutos de autonomia. O colegiado tinha acabado de começar a ouvir a segunda testemunha de defesa de Dilma no dia, a ex-presidente da Caixa Econômica, Maria Fernanda Ramos Coelho. O apagão foi provocado por um incêndio na subestação Brasília Central, sob responsabilidade da Companhia Energética de Brasília (CEB). (Veja\Laryssa Borges, de Brasília)

 

Preso na operação Custo Brasil, o ex-ministro Paulo Bernardo chega à sede da Polícia Federal, em São Paulo (SP)
Preso na operação Custo Brasil, o ex-ministro Paulo Bernardo chega à sede da Polícia Federal, em São Paulo (SP)(Eduardo Knapp/Folhapress)

Alvo da Operação Custo Brasil, o advogado Guilherme Gonçalves, que se entregou ontem à Justiça após voltar de uma viagem a Portugal, foi ouvido na tarde desta segunda-feira na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo. A oitiva de Gonçalves pelo juiz federal Paulo Bueno de Azevedo começou às 14h30 e terminou por volta das 15h30. Depois da audiência do advogado, o juiz decidiu manter presas todas as pessoas detidas na operação, incluindo o ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff Paulo Bernardo, o ex-secretário de Gestão do prefeito paulistano Fernando Haddad (PT) Valter Correia e o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, que se entregou à Justiça na sexta-feira.

“A decisão do juiz da 6ª Vara Criminal foi de que os motivos da prisão preventiva permanecem”, disse o procurador da República Rodrigo de Grandis. Os dez presos pela Custo Brasil, deflagrada na quinta-feira passada, são acusados de participação no esquema de corrupção que desviou cerca de 100 milhões de reais em um contrato de gestão de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento durante a gestão de “PB”, como Bernardo é conhecido, entre 2005 e 2011.

Leia na íntegra

SENADORA IGNOROU TODAS AS EVIDÊNCIAS ELENCADAS PELOS INVESTIGADORES PARA A PRISÃO. FOTO: EDILSON RODRIGUES/SENADO

Por: Diário  do Poder\André Brito

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) usou a tribuna do plenário do Senado para se fazer de vítima e defender o marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, preso na semana passada acusado de receber R$ 7 milhões desviados de contratos de empréstimo consignado durante cerca de cinco anos. Gleisi, que também é investigada pela Lava Jato, ignorou todas as evidências elencadas pelos investigadores e disse que a prisão de Bernardo foi “injusta, ilegal, sem fatos, sem provas e sem processo”, com o objetivo de humilhar a sua família.

“Nem em pesadelos eu teria sido capaz de supor que estaria aqui, nesta tribuna, pra defender meu marido de uma prisão”, declarou. A sessão, presidida pelo vice-presidente do Senado e também petista, Jorge Viana (AC), foi encerrada logo após o discurso de Gleisi, que foi assistido pela bancada pró-Dilma de senadores como Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lindbergh Farias (PT-RJ).

Perícia, requerida por Cardozo, condena Dilma

(Foto reprodução\Google)

Por: Jornal da Cidade Oline

As conclusões da perícia requerida pela defesa da presidente afastada Dilma Rousseff, solicitadas pelo ex-ministro José Eduardo Cardoso, apontam que é incontestável que a presidente agiu para liberar créditos suplementares sem autorização do Congresso Nacional, mas eximem Dilma de ter ‘contribuído direta ou indiretamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos’ do Plano Safra, a chamada pedalada fiscal.

De qualquer forma, o ato atribuído à presidente é classificado como crime de responsabilidade

Assim, a denúncia contra Dilma Rousseff por crime de responsabilidade é absolutamente procedente, pois leva em consideração o fato de ela ter maquiado as contas públicas ao assinar decretos de liberação de crédito extraordinário, sem aval do Congresso, para garantir recursos e burlar a real situação de penúria dos cofres do governo.

Leia na íntegra

(Foto reprodução\Google)

Por: ISTOÉ\Com Estadão Canteúdo\AddThis Sharing Buttons

A presidente afastada, Dilma Rousseff, afirmou que pretende fazer um “governo de transição” caso não seja condenada no processo de impeachment no Senado Federal. Em entrevista ao portal Agência Pública, publicada nesta segunda-feira, 27, Dilma disse que teria um governo de dois anos, até 2018, para garantir a “qualidade da democracia no Brasil”. Questionada sobre sua promessa de chamar um plebiscito para a convocação imediata de novas eleições presidenciais, Dilma desconversou. “Não, não. Está em discussão isso. Não há um consenso. É uma das coisas, uma das propostas colocadas na mesa.”

Dilma afirmou que precisaria recompor seu apoio no Congresso e que tentaria combater o presidencialismo de coalizão. Sem citar o PMDB ou o presidente em exercício, Michel Temer, diretamente na resposta, a petista disse que mudaria suas alianças. “Não tem mais como recompor.”

A presidente afastada reforçou a tese de que sofre um “golpe parlamentar” e acrescentou não saber ainda se irá pessoalmente ao Senado para se defender no processo de impeachment. Dilma repetiu ainda que o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é o homem por trás da gestão Temer.

Leia na íntegra

(Post na íntegra de Jornal da Cidade  Online não identifica créditos desta foto)

Por: Jornal da Cidade Online (Íntegra)

O advogado da senadora Gleisi Hoffmann, Guilherme de Salles Gonçalves, um dos alvos da Operação Custo Brasil, se entregou neste domingo (26) à Polícia Federal, em São Paulo.

O advogado está preso preventivamente por suposto envolvimento em irregularidades no Ministério do Planejamento.

A senadora, possivelmente, só escapou em função de seu foro privilegiado (veja aqui)

Guilherme Gonçalves atuou em duas campanhas políticas de Gleisi tendo recebido mais de R$ 7 milhões num período de cinco anos, oriundos de um criminoso esquema que realizava descontos indevidos diretamente no holerite do servidor público que por ventura realizasse empréstimo consignado.

Uma engenhosa fórmula idealizada para a obtenção de dinheiro ilicitamente, lesando o trabalhador, o que sem dúvida, se constitui na maior traição do PT em toda a sua história (veja aqui).

O esquema teria desviado R$ 100 milhões, que eram divididos entre vários participantes da bandalheira, cabendo uma boa parte ao Diretório Nacional do PT.

De acordo com o MPF, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto é quem decidia as porcentagens que cada um deveria receber.

A parte que cabia ao ministro Paulo Bernardo, de acordo com o MPF, era direcionada ao escritório do advogado de Gleisi.

da Redação

A presidente da República afastada, Dilma Rousseff, concede entrevista coletiva em Brasília (DF) - 14/06/2016
A presidente da República afastada, Dilma Rousseff (Ueslei Marcelino/Reuters)

Veja\Por: Laryssa Borges, de Brasília

A comissão processante do impeachment no Senado recebeu nesta segunda-feira as conclusões da perícia feita para analisar aspectos técnicos sobre as acusações que pesam contra a presidente afastada Dilma Rousseff. No documento, o corpo técnico afirma que é incontestável que a presidente agiu para liberar créditos suplementares sem autorização do Congresso Nacional – ato classificado como crime de responsabilidade -, mas exime a sucessora de Lula de ter “contribuído direta ou indiretamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos” do Plano Safra, a chamada pedalada fiscal.

A denúncia contra Dilma Rousseff por crime de responsabilidade leva em consideração o fato de ela ter maquiado as contas públicas ao assinar decretos de liberação de crédito extraordinário, sem aval do Congresso, para garantir recursos e burlar a real situação de penúria dos cofres do governo. Ela também é acusada de ter atrasado deliberadamente repasses para o Banco do Brasil, enquanto a instituição financeira era obrigada a pagar incentivos agrícolas do Plano Safra 2015.

Neste último caso, o governo postergou o repasse de 3,5 bilhões de reais ao BB para pagamento de subsídios aos agricultores, forçando a instituição a utilizar recursos próprios para depois ser ressarcida pelo Tesouro. Essa operação de crédito, já que o governo acabou por tomar um empréstimo de um banco estatal, como o BB, é proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Leia na íntegra

CONSUMIDOR ESTÁ MAIS OTIMISTA DEVIDO À MELHORA DAS EXPECTATIVAS (FOTO: EBC)

 

Por: Diário do Poder
A confiança do consumidor aumentou de maio para junho, segundo aponta pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador avançou 3,4 pontos, passando de 67,9 para 71,3 pontos. É o maior nível desde junho do ano passado.A FGV atribui a alta exclusivamente à melhora das expectativas dos consumidores, uma vez que os indicadores que medem a percepção sobre a situação atual ficaram estáveis no mês.

Em junho, o Índice de Expectativas (IE) chegou a avançar 6 pontos, atingindo 77,1 pontos, o maior desde os 81,7 de janeiro de 2015. Já o Índice da Situação Atual (ISA), ficou praticamente estável entre um mês e outro, ao fechar em ligeira queda de 0,8 ponto percentual, entre maio e junho, atingindo 64,7 pontos.

“Enquanto as primeiras [expectativas] avançam expressivamente pelo segundo mês consecutivo, a outra revisita o mínimo histórico. Considerando que a confiança do consumidor se mantém baixa em termos históricos, que a recuperação da economia deve ocorrer de forma lenta e que as famílias ainda se encontram muito comprometidas com endividamentos contraídos no passado, acredito que ainda veremos alguns trimestres de queda do consumo das famílias antes de retornarmos ao terreno positivo“, afirma a coordenadora da Sondagem do Consumidor da FGV, Viviane Bittencourt.

Houve alta da confiança em todas as quatro classes de renda pesquisadas. A melhora expressiva ocorreu entre os consumidores com renda familiar entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600, em que o índice aumentou 4,2 pontos.

Já em relação ao futuro, os consumidores tornaram-se menos pessimistas em relação à evolução das finanças familiares nos próximos seis meses, uma vez que o indicador que mede o grau de otimismo com a evolução da situação financeira familiar chegou a subir 6,2 pontos, de maio para junho, passando de 75,6 para 81,8 pontos, o maior desde os 87.6 pontos de janeiro de 2015. Entre maio e junho, a parcela de consumidores projetando melhora avançou de 25,8% para 29,6%; enquanto a dos que preveem piora recuou de 8,8% para 9%.

(Foto reprodução\Google)

Veja\ Por: Reinaldo Azevedo 

O Diretório Nacional do PT vai se reunir nos dias 18 e 19 de julho. Sobre a mesa, estará uma proposta: o partido assume a responsabilidade por desvios praticados pelos ex-altos dirigentes que estão presos. O que estes ganhariam com isso? Ainda é incerto. As condenações, por ora, são de primeira instância. Nas etapas seguintes, pode-se tentar um abrandamento da pena. Uma coisa é certa: João Vaccari Neto, José Dirceu e André Vargas acham que o PT não pode continuar repetindo o mesmo discurso. A ser assim, eles vão apodrecer na cadeia, condenados, respectivamente, a 24 anos, 23 anos e 14 ano. Por enquanto. Ainda há processos que não foram concluídos, inquéritos que serão abertos, denúncias que vão ser oferecidas… A coisa vai longe.

É claro que o fantasma é a delação premiada, que qualquer um deles pode fazer a qualquer tempo, segundo define a lei. Ainda que não haja exatamente uma ameaça, a possibilidade existe. E, à diferença do que se diz por aí, não é José Dirceu o mais indignado, mas justamente Vaccari. Ele tem sobre si mesmo uma avaliação que coincide com a da cúpula do PT: fez o que fez em benefício do partido, nunca para obter vantagens pessoais. Dirceu e Vargas são vistos com certa suspeição. Os Altos Companheiros acham que eles misturaram as coisas e também atuaram em seu próprio benefício.

Leia na íntegra

GUILHERME GONÇALVES (Foto reprodução\Google)
Por: Diário do Pòder
Suspeito de ser sócio do ex-ministro Paulo Bernardo, preso na Operação Custo Brasil, o advogado Guilherme Gonçalves se entregou neste domingo à Polícia Federal em São Paulo. Ele é investigado por atuar como intermediário da propina milionária para ao ex-ministro dos governos Lula e Dilma.

Das onze pessoas cuja prisão preventiva foi decretada quinta-feira, somente Guilherme Gonçalves ainda não estava preso. Ele estava em Portugal.

Gonçalves foi quem recebeu os R$7 milhões repassados a Paulo Bernardo no esquema da Consist, empresa de tecnologia contratada pelo Ministério do Planejamento, na época chefiado pelo petista, para “fazer a gestão” dos empréstimos consignados. Nesta segunda-feira, às 14h, ele será ouvido pelo juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6.ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

Os investigadores acham que o advogado foi quem criou um “Fundo Consist” que pagava contas do ex-ministro e da mulher dele, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

(Foto reprodução\Google)

Por: Brasil Verde Amarelo

Agora, o povão, que pague seus impostos ou vá para a cadeia? É assim?

Ou seja, quem tem dívidas com o fisco de até R$ 1 milhão, e está inscrito na chamada Dívida Ativa da União, pode ser perdoado, desde que se apresente para tal.

Com isso, governo abre mão de R$ 1,5 trilhão em impostos.

O problema é que não há informações de quantos são e quem são os beneficiados com essa decisão.

Será que alguns políticos e ‘chegados’ de políticos estão sendo agraciados com essa ‘mamata’?

Leia na íntegra

Attuch, o porta-voz da quadrilha

BRASIL 171 - Attuch: o blogueiro, que já teve a prisão solicitada pelo Ministério Público, recebeu 120.000 reais em propina
BRASIL 171 – Attuch: o blogueiro, que já teve a prisão solicitada pelo Ministério Público, recebeu 120.000 reais em propina(Sergio Dutti/VEJA)
Por: Veja

A Polícia Federal está no encalço de outro notório personagem do submundo petista. O blogueiro Leonardo Attuch firmou milionárias parcerias comerciais com os governos de Lula e Dilma. Movido a verbas públicas, mas não só, ele usa um blog chamado Brasil 247 para difamar adversários do PT e publicar textos patrocinados pelos contratantes, alguns deles presos e condenados. No ano passado, os investigadores descobriram que Attuch tinha outra fonte de renda. Recebia dinheiro de personagens ligados ao petrolão, abastecendo-se do propinoduto da estatal.

Os procuradores chegaram a pedir a prisão do blogueiro depois que um dos envolvidos no escândalo confessou ter repassado a ele 120.000 reais. Na época, Attuch explicou que o pagamento era por um serviço de “produção de conteúdo jornalístico”. Antes de deferir a prisão do “suposto jornalista”, como classificou Attuch no despacho, o juiz Sergio Moro achou prudente aprofundar as investigações. Na semana passada, Attuch foi conduzido à PF para se explicar. A polícia descobriu que o tal pagamento foi feito por determinação do tesoureiro João Vaccari, com o dinheiro roubado de servidores e aposentados endividados.

(Foto reprodução\Google)

Por: Brasil Verde Amarelo

Petistas ficaram surpresos com oresultado do levantamento que aconteceu em São Paulo, no final de maio e início de junho.

Um pesquisa interna realizada pelo PT (Partido dos Trabalhadores) apurou as intenções de voto para o Palácio do Planalto em 2018.

De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, petistas ficaram surpresos com o resultado do levantamento que aconteceu em São Paulo, no final de maio e início de junho.

Segundo a pesquisa, o juiz federal Sergio Moro está no topo da lista de presidenciáveis, com 14%.

Marina Silva está na segunda posição (12%), seguida por Lula (11%), Geraldo Alckmin (10%) e José Serra (10%).

A coluna recorda também que Michel Temer e Eduardo Cunha ficaram tecnicamente empatados, com 2% e 1%, respectivamente. O ex-ministro Ciro Gomes tem 4%, e Jair Bolsonaro, 3%.

(Foto reprodução\Google)

Por: Jornal da Cidade Online

Quando Emílio Odebrecht ameaçou derrubar a República caso o filho, Marcelo, fosse preso, ele não estava blefando, estava dizendo absolutamente a verdade sobre o conteúdo do que poderia ser revelado.

‘Terão de construir mais 3 celas: para mim, Lula e Dilma’, chegou a dizer o bilionário empresário.

E Marcelo foi preso, mas, acreditando que algo seria feito para livrá-lo dos abomináveis tentáculos da Operação Lava Jato, permaneceu calado, amargando mais de um ano de encarceramento. Um horror para um sujeito nascido em berço esplêndido e que até então só conhecia um lado da vida, repleto de luxo e riqueza.

Após a condenação, pressentindo que o seu calvário seria longo, Marcelo finalmente resolveu falar.

A delação em curso tem trazido enorme preocupação para os investigadores da Lava Jato.

O entendimento é de que o impacto será devastador, não poupando nada e nem ninguém, nenhum Poder da República e nenhum partido político.

Existe inclusive o receio de sua homologação pelo STF, tão bombásticas são as revelações.

Não foi a toa que um dia o juiz Sérgio Moro clamou pelo apoio popular.

Edmundo Zanatta

(Foto reprodução\Google)

Por: Diário da Cidade Online

O PT no exercício do poder praticou tudo o que sempre condenou, mas a punhalada dada em trabalhadores que acreditaram na sigla, metendo a mão em seus bolsos, se apropriando do dinheiro alheio, de forma vil e covarde, é algo sem precedentes e certamente a maior traição da história do partido.

É de causar asco saber que o conluio entre PT e a tal Consist, para lesar o bolso de todos os servidores, foi adredemente preparado e teve até ‘piloto’ realizado em um estado governado pelo partido, antes de assumir a presidência.

Em 1998, em Mato Grosso do Sul, o PT conquistou o governo do estado. A direção nacional do partido determinou que Paulo Bernardo, derrotado na eleição paranaense, assumisse a secretaria de Fazenda do governador Zeca do PT.

O estado, até então governado por Wilson Barbosa Martins, do PMDB, estava com três folhas de pagamento atrasadas, mais o 13º salário e mais uma folha que iria vencer.

Leia na íntegra

A irreverência já começa pelo nome do espetáculo “Em Ritmo de Lava Jato”, uma ironia de Juca Chaves ao momento que vive o Brasil. Conhecido como o “Menestrel do Brasil” e comemorando 75 anos de idade e 58 de carreira artística, Juca Chaves tem formação em música erudita, mas optou por modinhas e trovas mordazes, com letras criativas e irônicas.

Juca foi um crítico da ditadura militar no Brasil, da grande imprensa e do próprio mercado fonográfico. Na década de 1970, chegou a ser exilado em Portugal, mas incomodou o governo português com suas sátiras e acabou transferindo-se para a Itália. De volta ao Brasil, apresentou programas de televisão e, na década de 1980, lançou sua gravadora independente, a Sdruws Records. Agora, Juca Chaves lança o Sit Down Comedy, apresentando-se em pé e sentado, quando canta suas modinhas, entre elas, as conhecidas “Sentir-se Jovem”, “A Cúmplice”, “Por Quem Sonha Ana Maria”, “Presidente Bossa Nova” e “Filhas do Coração”.

No espetáculo, Juca Chaves também não economiza nas sátiras políticas, ironizando os últimos presidentes, a situação política atual no Brasil, os recentes escândalos do “mensalão” e “petrolão”, e a descoberta da espionagem internacional da primeira grande “impotência econômica do mundo”. Quem comparecer ao show vai ajudar o Juquinha a comprar o seu caviar, como diz um dos mais famosos bordões do comediante.

O gênero stand-up comedy já era praticado por Juca Chaves nos anos 60 e segue até hoje, atual e moderno, satirizando o cotidiano, com sutileza e encantando o público com suas modinhas de amor, o Menestrel do Brasil se mostra finalmente em pé. …Quase…. …

Serviço:

Local: Centro de Cultura João Gilberto

Data: 16 e 17 de julho (sáb e dom)

Horário: 20h

Mais Informações: (74) 9 9198.2750 / (74) 9 8838.1528

Realização: Cereja Produções

(Foto reprodução\Google)

Veja\Por: Vera Magalhães

As entidades da indústria vão manter a pressão contra a recriação da CPMF, mesmo depois de a equipe de Henrique Meirelles tirar a contribuição da previsão de receita deste ano.

A CNI divulga nesta semana pesquisa que aponta 73% de rejeição à volta do tributo.

Para 70% ele é  injusto, pois afeta a todos independentemente da renda.

E 59% dizem que a CPMF é inflacionária. A CNI entrevistou 2.002 pessoas em 143 municípios.

Wesley Safadão fez show para mais de 100 mil pessoas em Caruaru  (Foto: Divulgação/Ederson Lima - Assessoria)
Wesley Safadão fez show para mais de 100 mil pessoas em Caruaru (Foto: Divulgação/Ederson Lima – Assessoria)

Kamylla Lima Do G1 Caruaru

Após a Justiça questionar o cachê de R$ 575 mil no São João 2016 de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, o cantor Wesley Safadão disse que vai doar o dinheiro para instituições de caridade do município. Ele falou neste sábado (25) que “o dinheiro de Caruaru voltará para Caruaru” e que tocaria na cidade “até de graça”. Uma ação popular impetrada por advogados pediu o cancelamento do show, alegando suspeita de superfaturamento no cachê do artista.

No dia 22 de junho, o juiz José Fernando Santos de Souza deferiu uma liminar para suspender o show de Wesley Safadão. A decisão foi tomada após três advogados do município entrarem com uma ação popular para pedir o cancelamento do show. No mesmo dia, o desembargador José Viana Ulisses acatou o pedido da Prefeitura de Caruaru e decidiu que a apresentação deveria ser realizada.

O Ministério Público Federal (MPE) chegou a questionar a diferença dos preços dos cachês cobrados em Caruaru e Campina Grande. Na Capital do Forró, o valor é de R$ 575 mil, já na cidade paraibana seria de R$ 165 mil – valor confirmado pela prefeitura de Campina e negado pela empresa que cuida dos shows do artista.

Leia na íntegra

PETISTAS NO GOVERNO ESPIONAM TEMER PARA DILMA

(Foto reprodução\Google)

Por: Diário do Poder

Com a demora na substituição de petistas herdados do governo Dilma, ocupantes de cargos de direção e assessoramento superior estariam fazendo cópias clandestinas de informações estratégicas do governo Michel Temer para serem repassados à equipe de Dilma Rousseff, segundo setores de inteligência. O temor é que os vazamentos deixem a administração vulnerável a boicotes e até a ações de sabotagem. A informação é do colunista Cláudio Humberto, doDiário do Poder.

O governo suspeita que estariam sendo feitas cópias de informações em instituições como Dataprev, Funai, Funasa e INSS.

Ministros palacianos dizem que “os dados estão sendo espelhados”, um eufemismo para furto de informações.

Há mil nomeações pendentes, mas o governo continua à espera da liberação pela Abin, encarregada de verificar a ficha de cada indicado.

Acendeu o sinal vermelho no governo quando um convênio de R$ 100 milhões da Dataprev foi copiado e ninguém encontrou o responsável.

 (Foto reprodução\WEB\Yahoo)

Por: Diário do Poder

O governo Dilma ultrapassou a marca dos R$ 17,8 milhões em gastos com cartões corporativos nos primeiros cinco meses do ano, segundo o Portal Transparência. O gabinete da presidente Dilma torrou sozinho R$ 2,26 milhões, gastos protegidos por “sigilo”. Somando-se a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e outras secretarias do Palácio, a conta sobe para R$ 5,43 milhões. Quase tudo “sob segredo de Estado”. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.Em razão da Polícia Federal, o Ministério da Justiça é o segundo maior utilizador de cartões corporativos, com R$ 4,1 milhões até junho.

O gabinete da Vice-Presidência, de Michel Temer, torrou R$ 249 mil até maio deste ano, mas nenhuma das despesas é contabilizada.

Quem tem Olimpíadas, não precisa de cartão: o Ministério do Esporte é a pasta que teve a menor despesa com cartões em 2016: só 584 reais.

Abdelmassih ao ser preso: o médico das estrelas se escondeu no Paraguai antes de ser capturado
Abdelmassih ao ser preso: o médico das estrelas se escondeu no Paraguai antes de ser capturado(Jefferson Bernardes/Ag. Preview/VEJA)

A Polícia Civil indiciou Roger Abdelmassih, de 72 anos, por mais de 25 estupros contra pacientes de sua clínica de reprodução entre os anos de 1990 e 2008. Além de abusos sexuais, há denúncias de manipulações genéticas irregulares que resultaram no nascimento de crianças com deficiência. O novo inquérito foi concluído em 31 de março para ser encaminhado à Justiça.

A segunda leva de investigações começou em 2009, quando Abdelmassih já respondia ao primeiro processo pelo estupro de 37 mulheres que buscavam tratamento de fertilização para engravidar. Na época, a 1ªDelegacia da Mulher optou por instaurar um segundo inquérito para agilizar as investigações contra o ex-médico, já que novas vítimas surgiam a todo instante.

A vida secreta de Roger Abdelmassih no ParaguaEm 2010, o ex-médico já havia sido condenado em a 278 anos de prisão, pena que, posteriormente, foi reduzida para 181 anos. Após três anos foragido, Abdelmassih foi preso no Paraguai, em 2014. (Veja\Com Estadão Conteúdo)

Lava Jato agora prepara denúncias contra Lula

(Foto reprodução\Yahoo)

Blog do Josias de Souza\Por: Josias de Souza

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, recolocou em movimento os processos que envolvem Lula. Em despacho assinado nesta sexta-feira, Moro determinou que sejam juntadas aos autos as interceptações telefônicas que captaram diálogos do ex-presidente. A força-tarefa de Curitiba já prepara as denúncias que serão protocoladas contra Lula. Não são negligenciáveis as chances de condenação.

Em seu despacho, Moro excluiu apenas o grampo que foi anulado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF. Trata-se daquela célebre conversa em que Dilma Rousseff, ainda instalada no Planalto, foi pilhada informando a Lula que enviria um portador —“o Bessias”— com o seu termo de posse na chefia da Casa Civil. Como o diálogo foi captado depois que Moro já havia determinado o encerramento da interceptação, Teori considerou a gavação ilegal.

Leia na íntegra

O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), durante sessão extraordinária - 08/06/2016

O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Do G1, com informações da Globo News

O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, decidiu retomar as votações marcadas para a próxima semana. A decisão representa um recuo em relação que havia sido anunciado anteriormente - de que as votações voltariam a acontecer somente a partir de 5 julho por conta das festas juninas.

Segundo relato que Maranhão fez ao secretário-geral da Mesa Diretora da Câmara, Sílvio Avelino da Silva, houve uma pressão de deputados para a retomada das votações já na semana que vem por conta da repercussão negativa de que a casa ficaria mais de dez dias sem sessões no mês de junho. As votações, porém, deverão acontecer somente a segunda e terça-feiras - a exemplo que já ocorreu nesta semana.

Nesta semana, apenas uma matéria foi votada. Na terça, foi aprovada a medida provisória que libera o controle estrangeiro de empresas aéreas brasileiras.

Na quarta (22), dia da semana que costuma ser o mais movimentado, boa parte dos parlamentares já havia embarcado para seus estados de origem, e os corredores e o plenário ficaram esvaziados. Nem mesmo as comissões funcionaram.

Tradicionalmente, os deputados costumam aproveitar este período do ano para participar das festas juninas nos estados, principalmente no Nordeste. Em ano de eleições municipais, as celebrações de junho ganham destaque ainda maior, porque os parlamentares que pretendem se candidatar a prefeito usam as festas para fazer campanha informal.

Antes da suspensão das sessões da próxima semana, que serão retomadas na segunda e terça-feiras, o governo tinha a expectativa de votar, na semana que vem, uma medida provisória que institui normas sobre o controle de doping no esporte, proposta necessária tendo em vista a realização da Olimpíada e da Paralimpíada em agosto. Além disso, também tinha intenção de avançar na pauta que tornam mais técnicas indicações para fundos de pensão de empresas estatais.

 

O embaixador do Reino Unido no Brasil, Alex Ellis
O embaixador do Reino Unido no Brasil, Alex Ellis (Embaixada/Divulgação)

Veja\Por: Diego Braga Norte

“Não estou surpreso com o resultado, pois é assim é a democracia”, disse ao site de VEJA Alex Ellis, embaixador do Reino Unido no Brasil, ao ser questionado sobre sua reação após a vitória do Brexit (contração, em inglês, para ‘saída britânica’). Sobre o pessimismo do mercado, com quedas das principais bolsas do planeta e desvalorização recorde da libra, o embaixador afirma que o Reino Unido tem um sistema financeiro forte para superar adversidades. “Temos condições de usar o Bank of England [o banco central britânico] para abastecer o mercado imediatamente e manter a liquidez, se for necessário.”

Aliando experiência diplomática e pragmatismo tipicamente britânico, o embaixador crê que neste momento de confusão inicial, o importante é “olhar para a frente” e trabalhar. “Ainda é muito cedo, mas é importante pensar nas questões práticas, entender quais são os próximos passos. Nosso país existia muito antes da União Europeia e vai continuar existindo por muito tempo depois.”

Leia na íntegra

 

 

DEFESA DA IMUNIDADE DO “LAR” É FEITA DE OLHO NO PRÓPRIO FUTURO. FOTO: MARCOS OLIVEIRA/SENADO

 

Por: Diário do Poder

Políticos de vários partidos temem virar “Gleisi Hoffmann amanhã”, por isso protestam contra o mandado de busca no apartamento da senadora do PT-PR, cujo marido Paulo Bernardo foi preso acusado de roubar tomadores de empréstimos consignados. Eles acham que a imunidade da senadora, garantida por lei, é estendida ao cônjuge investigado por corrupção. Não é. O juiz federal Paulo Bueno Azevedo teve o cuidado de ordenar que nada da senadora fosse apreendido. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.Se a moda pega, investigados poderiam esconder provas de suas malfeitorias na casa de deputados e senadores amigos.

Conhecido criminalista lembrou a esta coluna que “investigados não podem se esconder debaixo da saia da mulher com foro privilegiado”.

Enquanto alegam que Paulo Bueno Azevedo é só um juiz federal de 1ª instância, políticos petistas não explicam o roubo investigado.

Marido modelo


(Foto reprodução\Google)

 Veja\Por: Augusto Nunes  

“Quem nos conhece sabe que não fizemos fortuna, não temos conta no exterior, levamos uma vida confortável, porém modesta. O patrimônio que temos, parte financiado, foi comprado com nossos salários. Não me cabe outra explicação que não o desvio de foco da opinião pública deste governo claramente envolvido em desvios, em ataques aos direitos conquistados pela população. Garantir o impeachment é tudo o que mais lhes interessa neste momento”. (Gleisi Hoffmann, senadora do PT do Paraná, em sua página do Facebook, garantindo que seu marido Paulo Bernardo é uma ilha de honradez cercada por todos os lados pelos delinquentes investigados pela Operação Custo Brasil)

Cunha também quer acesso à íntegra das delações de Fernando Baiano e Júlio Camargo (Lula Marques/Agência PT)

Por: Congresso em Foco

Em resposta à decisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, na última quarta-feira (22), que o tornou réu pela segunda vez, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) protocolou na última sexta-feira (24) um pedido de quebra do seu próprio sigilo telefônico. Além disso, o peemedebista solicita uma perícia em arquivos de vídeo e áudio que fazem parte da delação premiada de Fernando Soares – conhecido como Fernando Baiano – e Júlio Camargo, e a quebra do sigilo do senador Edison Lobão.

Todos são investigados na Operação Lava JatoO pedido da defesa de Cunha incluiu ainda uma lista com 28 testemunhas a serem ouvidas. Entre elas estão deputados, senadores e até executivos que residem na Ásia.

A reivindicação foi protocolada na ação penal que o presidente afastado da Câmara responde no STF. Ele é acusado de pressionar Camargo pelo pagamento de dinheiro ilícito advindo da negociação dos navio-sondas para a Petrobras. O parlamentar nega todas as acusações. A equipe de defesa do peemedebista questiona a legalidade das acusações ao alegar insuficiência documental para provar a denúncia.

Para justificar o pedido de inclusão das íntegras de áudios e vídeos de delações, os advogados de Cunha mencionam trecho do depoimento de Júlio Camargo, delator da Lava Jato. A contestação é sobre uma reunião que Camargo diz ter tido com Lobão, o então ministro de Minas e Energia, na Base Aérea do Santos Dumond, no Rio de Janeiro. Lá, ainda de acordo com delação, Lobão disse que a estratégia de pressão via Câmara estava sendo capitaneada por Cunha e que, em seguida, Lobão ligou para o parlamentar fluminense na frente de Camargo.

Efetivamente, a delação de Cunha já começou

Eduardo Cunha durante coletiva em Brasília

(Alan Marques/Folhapress\Reprodução)

Por: Jornal da Cidade Online

As consequências da queda do deputado Eduardo Cunha serão devastadoras.

Inteligente na mesma proporção em que é corrupto e corajoso na mesma proporção em que é aético, o presidente afastado da Câmara Federal vai certamente detonar de vez, qualquer pretensão petista de retorno ao poder.

Em entrevista concedida a Revista IstoÉ, nesta quinta-feira (23), ele começa a esmiuçar detalhes ainda ocultos das negociações havidas com o então chefe da Casa Civil do governo da presidente Dilma Rousseff, Jacques Wagner, com o objetivo de evitar o início do processo de impeachment.

Wagner ofereceu em troca os votos dos deputados petistas no Conselho de Ética e garantiu influência sobre o Poder Judiciário nos processos envolvendo Cunha, sua esposa e a filha.

Aliás, oferecimento de influência sobre o Poder Judiciário é algo onipresente em todas as negociatas petistas.

Quem não se lembra? Foi assim a negociação entre Delcídio do Amaral e Nestor Cerveró, representado pelo filho Bernardo.

E Wagner, assim como Delcídio, garantiu que a presidente honrada sabia de tudo.

Cunha não aceitou e diz o motivo. Ele considerou que o petista não tinha condições de entregar o que prometia.

Estava correto. É esse o ‘modus operandi’.

Agem a margem da lei e prometem o que não podem entregar.

Cunha vai cair, mas fatalmente vai delatar e provocar consequências muito piores do que o impeachment.

E vai definitivamente jogar a pá de cal na moribunda do Alvorada.

Amanda Acosta

(Foto reprodução\Google)

Veja\Por: Severino Motta

O esquema de desvio de recursos em contratos de crédito consignado a servidores, que levou à prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, pode ser muito maior. Diversas prefeituras e governos estaduais usam serviços de empresas semelhantes à Consist, pivô da fraude no Ministério do Planejamento.

Como são remuneradas pelos bancos para gerenciar os empréstimos vinculados aos salários, não é preciso licitação. Quem conhece o setor diz que a relação de prefeitos e governadores com essas empresas não é nada republicana. Vem aí novo foco de investigação.

 

BUSCAS - A Polícia Federal cercou a sede do PT em São Paulo: nos cofres, os agentes só encontraram papéis

BUSCAS – A Polícia Federal cercou a sede do PT em São Paulo: nos cofres, os agentes só encontraram papéis (Zabone Fraissat/VEJA)

Veja\Por: Rodrigo Rangel

A cena acima resume a realidade de um partido político que surgiu como esperança de renovação, apresentou-se como baluarte da ética e terminou como uma organização criminosa, cercado pela polícia. Ainda estava escuro na quinta-­feira passada quando homens do Grupo de Pronta Intervenção, a Swat da Polícia Federal, isolaram a rua onde funciona o Diretório Nacional do PT, no centro de São Paulo. Os agentes estavam cumprindo um mandado judicial, em busca de provas contra uma quadrilha que, durante cinco anos, embolsou 100 milhões de reais em mais um esquema de corrupção. Nada a ver com os intrincados desfalques contra a Petrobras, a Eletrobras, os Correios, a Infraero, os fundos de pensão das estatais e sabe-se lá o que mais. Dessa vez foi, pode-se dizer, um assalto direto: o Partido dos Trabalhadores tomou o dinheiro de milhares de servidores públicos ativos e inativos – e, luxo de sadismo, justamente os mais endividados.

A presença de policiais armados de fuzil e metralhadora vigiando a entrada da sede do PT pareceu exagerada, mas era apenas precaução considerada necessária pelo serviço de inteligência da PF. Era ali, na sede nacional, que despachava o notório Delúbio Soares, o tesoureiro do mensalão. Dali, mais tarde, saíram as primeiras ordens do igualmente notório João Vaccari Neto, preso e condenado por gerenciar o caixa do dinheiro arrecadado das empreiteiras em troca de contratos na Petrobras. Na sede do PT, como demonstram as investigações até aqui, política e corrupção conviveram em simbiose.

Leia na íntegra

FESA DA IMUNIDADE DO “LAR” É FEITA DE OLHO NO PRÓPRIO FUTURO. FOTO: MARCOS OLIVEIRA/SENADO

 Por: Diário do Poder

Políticos de vários partidos temem virar “Gleisi Hoffmann amanhã”, por isso protestam contra o mandado de busca no apartamento da senadora do PT-PR, cujo marido Paulo Bernardo foi preso acusado de roubar tomadores de empréstimos consignados. Eles acham que a imunidade da senadora, garantida por lei, é estendida ao cônjuge investigado por corrupção. Não é. O juiz federal Paulo Bueno Azevedo teve o cuidado de ordenar que nada da senadora fosse apreendido. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Se a moda pega, investigados poderiam esconder provas de suas malfeitorias na casa de deputados e senadores amigos.

Conhecido criminalista lembrou a esta coluna que “investigados não podem se esconder debaixo da saia da mulher com foro privilegiado”.

Enquanto alegam que Paulo Bueno Azevedo é só um juiz federal de 1ª instância, políticos petistas não explicam o roubo investigado.

NSA AMERICANA PODE MONITORAR CAÇAS BRASILEIROS

GRIPEN SUECOS PODEM TER BRECHA GRAVE NO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO (Post na íntegra de Diário do Poder não identifica créditos desta foto)

 

Por: Diário do Poder
A Suíça descobriu que a tecnologia de rádio utilizada pelos caças suecos Gripen, comprados pelo Brasil em dezembro passado e rejeitados pelos suíços em referendo, detém tecnologia americana com “certificado de tecnologia” da NSA (agência de segurança nacional dos EUA). A empresa Rockwell Collins, responsável pelo sistema, teria desenvolvido uma “porta dos fundos” que permite a NSA monitorar toda a comunicação e até as imagens capturadas pelos caças. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.Os suíços rejeitaram os caças por serem caros, ainda que fossem US$ 5,5 milhões mais baratos, por unidade, que o valor pago pelo Brasil.A julgar pela proposta de venda dos Gripen aos suíços, o Brasil pode ter concordado em pagar até US$198 milhões a mais pelos 36 caças.

Reportagem do jornal suíço Tages Anzeiger mostra que a tecnologia pode desligar a comunicação dos caças por completo, remotamente.

Em nota, o Ministério da Defesa informa que não tem conhecimento de “nenhuma notícia nesse sentido”. Agora tem.

Marcelo Odebrecht  (Foto: Luis Ushirobira/Valor )

Época\MURILO RAMOS

A cúpula da Operação Lava Jato está receosa quanto à delação premiada negociada pela Odebrecht e por seu dono, Marcelo Odebrecht – não por seu conteúdo e evidências apresentados até agora, mas por dúvidas maiores que surgem. Pela primeira vez, os investigadores se perguntam se as instituições serão capazes de absorver o gigantesco impacto que causará o que já foi entregue pela empreiteira e o que ainda está sendo negociado. Há preocupação crescente de que, quanto mais robusta e ampla se torna a delação, mais inviável ela pode vir a ser na hora da homologação pelo Supremo Tribunal Federal. A delação não poupa nenhum Poder da República ou partido político.

SOBRE AUMENTO DE IMPOSTOS, PARA ENFRENTAR ESTE MOMENTO DE CRISE, O PRESIDENTE EM EXERCÍCIO REPETIU QUE, “ATÉ O PRESENTE MOMENTO, NÃO SE FALOU EM TRIBUTOS” (FOTO: MÁRCIO FERNANDES/AE)
Por: Diário do Poder

Em entrevista de pouco mais de uma hora a cinco jornais, o presidente em exercício, Michel Temer, disse que “espera” que haja redução dos juros até o fim do ano, para “animar a economia”, justificando que além disso ter um “efeito concreto”, tem também o “efeito psicológico”.Temer pediu que se grifassem a palavra “espera” que a redução possa ocorrer já no fim do ano, justificando que esse processo de diminuição das taxas deve ser feito de forma “responsável”. Temer também pediu aos ministros da área econômica que apresentem “medidas a curto prazo” que possam ser tomadas “de acordo com possibilidades do erário público”.

Sobre aumento de impostos, para enfrentar este momento de crise, Temer repetiu que, “até o presente momento, não se falou em tributos”. E, de forma descontraída, voltou a usar a mesóclise, uma marca de sua fala: “Economia é assim. Muitas vezes você tem de fazer readequações e fá-las-á no tempo certo”, disse ele, provocando risos em todos, e esclarecendo que se trata de uma coisa que pode ser estudada no futuro. “Mas se puder evitar tributos, tanto melhor.” (AE)

Pregão eletrônico da Bovespa em São Paulo
Pregão eletrôniQueda da Bovespa foi conduzida, sobretudo, pressionada principalmente por ações de empresas ligadas a commodities (Reinaldo Canato/VEJA)

A Bovespa recuou quase 3% e o dólar terminou em alta de mais de 1% nesta sexta-feira, reagindo à decisão inesperada do Reino Unido de sair da União Europeia. No mercado de ações, a bolsa brasileira caiu 2,82% da Bovespa, aos 50.105,26 pontos, pressionada principalmente por ações ligadas a commodities. No mercado de câmbio, a moeda americana avançou 1,05%, a 3,37 reais na venda.

O Brexit, como foi chamado o desembarque do Reino Unido do bloco europeu, supreendeu investidores e pressionou mercados ao redor do mundo. Na Europa, todas as bolsas fecharam no campo negativo. Na Ásia, a Bolsa de Tóquio terminou em baixa de 7,92%.

“O mercado sangrou um pouco com o referendo e teve que desfazer parte do otimismo dos últimos dias. Mas o movimento é mais um ajuste do que um pânico generalizado”, disse o economista da corretora Renascença Marcos Pessoa.

Leia na íntegra

O PT vai pagar pelo Custo Brasil?

Resultado de imagem para RUTH DE AQUINO

Época\Por: RUTH DE AQUINO (Foto reprodução\Google)

A prisão de Paulo Bernardo, ministro do Planejamento de Lula e ministro das Comunicações de Dilma Rousseff, talvez seja, até agora, o maior golpe contra o Partido dos Trabalhadores desde sua fundação, em 1980. Não é o “golpe” do atual dicionário petista. A operação da Polícia Federal chamada de Custo Brasil é um golpe mortal no coração de um partido criado, a princípio, para defender quem trabalha contra a exploração e a especulação do capital.

Caso se comprove que Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann (ambos do PT do Paraná), recebeu, por meio de um advogado, R$ 7 milhões, entre 2010 e 2015, desviados de empréstimos consignados para funcionários públicos, o PT se tornará indefensável como partido. Para sobreviver, precisará promover um expurgo geral, pedir desculpas à nação, refundar valores e renovar lideranças. Segundo os investigadores, o esquema de roubo envolve um total de R$ 100 milhões em contratos entre a Pasta de Planejamento de Lula e a empresa de tecnologia Consist.

Leia na íntegra

Juízes apoiam busca em apê de Gleisi

(Foto reprodução\Google)

Por: O Antagonista

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota em apoio ao juiz federal Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Federal Criminal, de São Paulo, que autorizou a prisão de Paulo Bernardo e a busca no apartamento funcional de Gleisi Hoffmann em Brasília.

Como O Antagonista revelou ontem, Azevedo autorizou a busca restrita a bens, documentos e objetos de PB.

Diz a nota:

“O fato de o ex-ministro e investigado na representação criminal conduzida pelo magistrado ser casado com uma senadora da República, Gleisi Hoffmman, não estende a ele o privilégio de foro de que goza a senadora, nem lhe garante qualquer espécie de imunidade.”

“O juiz expressamente consignou em sua decisão que a senadora não era investigada no processo e, portanto, não era ‘sujeito passivo da medida de busca e apreensão’ e determinou que ‘tudo o que for de propriedade ou posse da senadora deve ser excluído’, inclusive indeferiu pedido do Ministério Público Federal para que fosse lavrado um auto de constatação dos bens, objetos e documentos da Senadora.”

Além de não existir “comunhão de foro”, como já dissemos, apartamento funcional não pode ser esconderijo de pilantra sem foro.

O Antagonista agora tem uma newsletter

Receba nosso conteúdo exclusivo e as notícias mais quentes do dia em seu e-mail. Cadastre já!

PARA JANOT, NÃO PROCEDE A SUSPEITA DE QUE ELES PRATICARAM ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA (FOTO: MONTAGEM/ EBC)

 

Por: Diário do Poder

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento de um inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) e envolve o ministro José Serra (Relações Exteriores), o ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP).

Para Janot, não procede a suspeita de que eles praticaram atos de improbidade administrativa quando estiveram à frente da Prefeitura São Paulo por conceder aumento de salário de professores em desacordo com a lei orgânica municipal.

“Diversamente do que alegaram os representantes, não há previsão legal de que o reajuste referente à revisão geral anual vincule-se aos índices oficiais que medem a inflação no período”, disse.

“Não há, portanto, que se falar em negativa de execução de lei, uma vez que a determinação contida na lei municipal restou plenamente atendida pelo alcaide quando da edição anual das leis que reajustaram os vencimentos dos servidores públicos municipais, ainda que estes discordem quanto aos índices aplicados”, completou Janot.

Leia na íntegra

« Artigos Anteriores  Próxima Página »

Últimos Posts

    Últimos Comentários

      Mais Comentados